Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Pisa: quatro dias para encerrar

Depois de uma noite em Volterra, embarcamos para Siena. Por € 4,55 por pessoa, fizemos o trajeto de ônibus, com baldeação em Colle di Val d’Elsa. 

O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2017 | 04h58

Com 50 mil habitantes, Siena tem ruas ótimas para se perder. Foi assim que, já no primeiro dia, descobrimos lugares como a Fontebranda, ou “fonte que fala”. A água muito azul foi citada por Dante em seu Inferno, na Divina Comédia, e rende fotos incríveis.

No segundo dia, passamos várias horas sentados na Piazza del Campo, onde é disputado o Palio de Siena, corrida de cavalos que tem séculos de história. No terceiro dia, a caminho da Catedral de Siena, fomos surpreendidos por uma fanfarra animada que serpenteava pelas ruas. Era um convite para a missa em uma das igrejas da cidade. A Catedral é toda revestida de mármore branco e verde que, de longe, parece preto. A entrada custa a partir de € 9 (bit.ly/catedralsiena).

Há quem diga que o melhor gelato da Itália está em Siena, pertinho da Piazza del Campo, na Grom, que fica na Via Banchi di Sopra, 11. Não deixe também de comer uma “pizza al taglio” – pizza vendida por quilo – no Consorzio Agrario di Siena (na Via Pianigiani, 5). São vários sabores e as pizzas estão sempre quentes e frescas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.