Disney/Divulgação
Rise of the Resistance abusa de tecnologia para fazer os visitantes se sentirem participando de uma espetacular fuga no universo Star Wars Disney/Divulgação

Por dentro de Star Wars: visitamos a nova atração da Disney

Inaugurado no início de dezembro, Rise of the Resistance coloca o visitante dentro da saga, para lutar contra Kylo Ren ao lado da Resistência

Diego Ortiz, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2019 | 07h00

Tan tan tan, tantantan, tantantaaaan... A inesquecível onomatopeia da Marcha Imperial de Star Wars (cujo último episódio, A Asecensão Skywalker, acaba de estrear nos cinemas) não sai da minha cabeça um segundo sequer no caminho para Orlando. Dois sonhos são embalados por ela: conhecer finalmente a DisneyWorld e vivenciar de perto uma experiência do universo Star Wars. Filme que me conduziu ao espaço pela primeira em 1987, aos 7 anos, uma década depois de ele ser lançado nos Estados Unidos, quando ainda não tínhamos sido tomados de assalto pelo anglicismo e ele se chamava apenas Guerra nas Estrelas.

Inaugurada em 5 de dezembro, a nova atração, Rise of the Resistance, leva os visitantes para dentro do universo da saga criada por George Lucas. O espaço integra o complexo Galaxy Edge do Hollywood Studios, aberto em agosto deste ano (que chegou em maio à Califórnia).

É ali que fica o fictício planeta Batuu – criado especialmente para a atração – , um porto fora da rota do hiperespaço que se tornou local para contrabandistas, traficantes e aventureiros. Além de turistas e fãs dos filmes, claro.

No Rise of the Resistance, os visitantes fazem parte de uma tropa da Resistência, insuflada por Rey (protagonista dos últimos filmes da série) e o simpático robozinho BB-8, que tenta fugir de naves da Primeira Ordem sem sucesso, mesmo com a ajuda de Poe Dameron. Eles são capturados e levados para um Star Destroyer.

Lá, são recepcionados por uma fileira de 50 Stormtroopers parados em frente a um telão de última geração maior que o de salas de cinema.

O impacto desta nada amistosa recepção, com estrelas e naves passando no telão, fazem você se sentir mesmo dentro deste universo. A ponto de, digamos assim, algumas gotas de suor masculino escorrerem pelos meus olhos, que foram devidamente enxugadas usando um Ewok de pelúcia que eu comprei em uma das dezenas de lojinhas espalhadas pelas atrações.

Após essa espécie de condução coercitiva, ficamos em uma sala de interrogatório por uns dois minutos, tomando bronca do líder da Primeira Ordem General Hux, até sermos resgatados por três rebeldes liderados por Finn, braço direito de Rey. O animatronic do ator John Boyega, que dá vida ao Finn, é tão perfeito que em um primeiro momento achei mesmo que fosse uma aparição especial do ator.

Cara a cara com Kylo Ren

Um carrinho com os visitantes rebeldes vai e volta pelo complexo, de frente, de ré, passando por canhões, telas gigantes – que mostram uma batalha espacial com a maior resolução de imagem que você já viu na sua vida –, até ficar frente a frente com o temido Kylo Ren, vilão da última trilogia. O filho da Princesa Leia e Han Solo liga seu errático sabre de luz em forma de cruz e segue atrás do comboio, cortando o teto e usando a Força para puxar os carrinhos.

Neste momento, um pouco antes do ápice da fuga, fui tomado por uma sensação muito diferente. Mesmo olhando todos os detalhes da sofisticada (e milionária) construção, a apuração e curiosidade jornalística foram dando lugar ao Diego de 12 anos que vive em mim.

Eu realmente me senti em uma galáxia muito, muito distante, fazendo parte daquilo, fugindo, torcendo, vibrando, tudo isso enquanto passava pelas “pernas” dos gigantescos AT-AT, que apareceram pela primeira vez no cinema em O Império Contra Ataca, de 1980. A imersão é tanta que eu tive de ir de novo para conseguir, já com a mente adulta sob controle novamente, voltar a ser jornalista e não só um superfã. 

A conclusão dos cerca de 20 minutos que demora para cruzar toda a atração não poderia ser mais épica. Ao finalmente conseguir escapar de Kylo Ren, a nave vai para um hangar de fuga. Mira para o espaço (mais uma tela de altíssima definição), despenca por uns dois metros, e um simulador entra em ação oferecendo a perspectiva de uma fuga em meio a uma guerra nas estrelas, em muita velocidade, com desvios de explosões e subidas e descidas até chegar a um planeta fora do radar da Primeira Ordem em segurança. E lá vou eu, assoviando a mítica composição de John Williams (que abre esta reportagem), querendo um sabre de luz para chamar de meu.

No dia seguinte, já na volta para o Brasil, chega uma informação que retrata bem o fascínio que Star Wars causa nas pessoas mesmo depois de 42 anos de seu lançamento. Na estreia de Rise of the Resistance, o parque, que abre às 8h, teve de abrir às 6h por causa do acúmulo de pessoas na entrada. E, às 9h, o sistema de filas virtuais do aplicativo da Disney já tinha encerrado as vagas para a atração do dia inteiro. A Força, agora, está com a Disney. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Galactic Starcruiser vai ser hotel baseado na saga Star Wars

Com previsão de inauguração em 2021, empreendimento oferecerá treinamento com sabre de luz e visitação à cabine de comando; conheça outras novidades previstas

Diego Ortiz, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2019 | 06h50

A maior expansão de um parque da história Disney está longe de acabar. Depois da inauguração de Rise of the Resistance, a empresa se prepara para lançar, em 2021, o Galactic Starcruiser, um hotel todo baseado na saga Star Wars, com aspecto de nave espacial. Ele integra o rol das grandes novidades que a Disney vai inaugurar até 2021. Conheça como elas serão abaixo.

Galactic Starcruiser

O hotel terá atividades exclusivas e uma ambientação até então inédita nos produtos relacionados a Star Wars. Ele funcionará em turnos e todos os hóspedes-passageiros farão check-in juntos, com uma estada mínima de duas noites. O conceito é baseado na experiência de cruzeiros, onde o navio funciona não apenas como hospedagem, mas também como atração. 

Durante estes dois dias, crianças e adultos realizam atividades imersivas como visitar a cabine de comando da espaçonave. Poderão também fazer treinamentos com um sabre de luz e até tirar fotos e interagir com personagens como Chewbacca e os Stormtroopers. Droids e membros alienígenas da tripulação também estarão circulando. Um fato interessante é que todas as janelas do hotel serão telas, que vão ficar passando imagens do espaço.

Mickey and Minnie's Runaway Railway

No dia 4 de março de 2020 estreia a primeira atração dos ratos mais queridos do mundo juntos. Mickey e Minnie terão uma montanha-russa só para eles, com temática de cartoon dos anos 60. Assim como a área dedicada a Star Wars, a atração também ficará no Hollywood Studios, e conta a história de uma saída do casal para um piquenique tranquilo em seu carro esportivo, acompanhados pelo trem do Pateta.

O trem fica desgovernado e eles, junto de Pluto, tentam resolver a situação. Segundo a Disney, o visitante deverá estar preparado para “reviravoltas inesperadas, diversões imensas e transformações impressionantes em cada curva enquanto Mickey e Minnie tentam salvar o dia”. Portanto, espere por uma atração mais radical do que a aparência fofinha sugere.

Tron Lightcycle Run

Sucesso desde 2016 na Disneylândia de Xangai, na China, a montanha-russa do filme Tron será lançada também nos Estados Unidos, mais especificamente na área temática Tomorrowland do Magic Kingdom – as obras já começaram. Ela seguirá o mesmo projeto chinês, com estrutura de aço e lightcycles (as motos características do filme Tron) individuais para cada visitante.

A estreia está prevista para 2021 como parte das comemorações dos 50 anos da DisneyWorld, em Orlando. Os lightcycles já estão até em exibição ao lado das obras, para aguçar a curiosidade dos visitantes. A atração se caracteriza por ter muita música, luzes e gráficos em 3D, que simulam a corrida pelo círculo do vencedor. No entanto, o que mais agrada os visitantes é a alta velocidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Lojas do Galaxy's Edge têm de tudo para quem quer ser um Jedi

Visitantes podem comprar sabres de luz, roupas e até montar seu próprio droid

Diego Ortiz, Orlando

21 de dezembro de 2019 | 06h50

O Galaxy's Edge, complexo da Disney dedicado à saga Star Wars, é capaz de levar os fãs à loucura - e a gastar muitos dólares. Além de atrações como Rise of Resistance, o espaço tem restaurantes e lojas em que é possível comprar sabres de luz, roupas oficiais dos personagens e até montar seu próprio droid. Confira seguir alguns destaques.

Droid Depot 

No local, os visitantes montam seus próprios droids, que podem ser réplicas do R2-D2 ou do BB-8, ou no formato que preferir. As cores também são bem variadas. Basta escolher as peças que ficam circulando por uma esteira e ir para a mesa de montagem, com parafusadeiras elétricas. É bem fácil montar. Para levar o droid para casa é preciso gastar US$ 99.

Oga’s Cantina 

Entre os restaurantes do complexo, o bar-balada de Batuu serve drinques e bebidas (para adultos e crianças) animado pelo DJ robô R-3X. O balcão é bem grande e há mesas circulando o bar. Ponto perfeito para descansar das caminhadas ou baixar a adrenalina após ir nos simuladores.

Sabre de luz 

É possível montar o seu sabre de luz na atração. Ele custa US$ 200 e pode ser uma réplica dos usados por Luke, Vader, Windu, Rey ou Yoda. Há toda uma bela encenação antes da montagem que vale a pena ser vista.  

Seja um Jedi 

Há uma loja no mercado que vende as roupas oficiais dos personagens, como a túnica dos Jedi. Há, inclusive, o traje completo usado por Rey, que é sucesso entre criançada. Custam em média US$ 120. 

Loja de pets 

No Criature Stall, você pode adotar um bichinho de uma galáxia distante. Os Porgs são os mais fofos, mas fazem muito barulho. Os mais divertidos são os Kowakian, chamados também de macacos do espaço. Eles são os bichinhos falantes que ficam na barriga do Jabba

Millenium Falcon 

A nave mais famosa de Star Wars está lá, no centro do Galaxy's Edge. Além de ser o ponto preferido para fotos dos visitantes, ela também é uma atração, o simulador Smugglers Run, em que os visitantes viram pilotos, atiradores e engenheiros da Millenium em uma missão de contrabando bastante perigosa. A dica é tentar ficar na ponta da fila para ser o piloto. Definitivamente é a função mais divertida de todas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Star Wars Galaxy's Edge tem menu digno de um Jedi

Complexo Galaxy Edge na Disney de Orlando tem pratos temáticos, como os picantes Ronto Roasters e coquetéis como o Bloody Rancor

Diego Ortiz, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2019 | 06h50

Por mais que estejam mais preocupados em salvar o mundo da Primeira Ordem, rebeldes da Resistência também sentem fome e sede. Para suprir a necessidades deles (e de todos os visitantes do Hollywood Studios), o complexo Star Wars: Galaxy’s Edge tem uma série de comidinhas diferentes, todas temáticas, dentro do Black Spire Outpost, que ajudam a manter os visitantes com a Força necessária para aguentar horas de caminhada no parque, sem perder o espírito de diversão.

Na concorrida Oga’s Cantina, um robô DJ, o R-3X, é o responsável por escolher a trilha sonora. Há uma seleção de drinques, alcoólicos e não alcoólicos, para agradar a todas as idades. O mais popular entre a criançada é o Jabba Juice, que leva abacaxi, kiwi, melão, mirtilo e ovos de Worrt, uma espécie de sapo espacial que fica em um aquário, numa área bem visível. Custa US$ 6,50 e é bem refrescante.

Para os adultos, a pedida é o Bloody Rancor, servido aos fortes pela manhã – leva vodca, licor de pimenta, mix de Bloody Mary picante e um biscoito de osso de Rancor, o monstro que vive no calabouço de Jabba The Hutt, o asqueroso alienígena que escraviza a Princesa Leia em O Retorno de Jedi. Custa US$ 17.

Outro clássico é o Milk Stand, que serve os leites azul e verde que ficaram famosos nas mãos de Luke Skywalker nos episódios IV (Uma Nova Esperança) e VIII (Os Últimos Jedi). Eles são vendidos em versões frozen (bem doces) e alcoólicas, sempre com base de coco e leite de arroz. E com rum (azul) e tequila (verde). Custam US$ 7,99 sem álcool e US$ 14 com álcool.

No meio do mercado, barraquinhas com gelo servem garrafas especiais da Coca-Cola, com o formato das granadas usadas nas batalhas da série. Feitas especialmente para a atração, elas carregam a identidade visual da marca, mas sãp escritas em aurebesh, idioma utilizado na saga. Há garrafas de Coca normal e zero, Sprite e água sem gás. Elas só são vendidas dentro do parque e custam US$ 6. Vale até como souvenir.

Dentre as comidinhas, a sugestão para um dia cansativo de parque é algo um pouco mais forte, como o Ronto Wraps servido no Ronto Roasters (confira a receita aqui). Muito saboroso, mas bem picante, tem carne de porco assada, salsicha grelhada, molho de pimenta e pão pita. Sai por US$ 12,99. Para os vegetarianos, o Docking Bay 7 Food & Cargo serve o Felucian Garden Spread, uma kafta sem carne com homus de ervas, molho de tomate e pepino, por US$12,99.

O mesmo local serve, como sobremesa, o Oi-oi Puff, um gostoso creme de framboesa com mousse de maracujá, vendido por US$ 6,49. Porém, uma das comidas mais inusitadas da atração é a Outpost Mix, um saquinho que combina pipocas doces e salgadas, também vendido por US$ 6,49. Elas são para serem comidas juntas, para criarem uma explosão de sabor. Elas realmente fazem isso na boca – só não sei ainda se isso é bom ou ruim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Onde visitar os cenários da saga Star Wars?

Às vésperas da estreia de Episódio IX - A Ascensão Skywalker, saiba onde é possível imergir no universo dos filmes

Denise Bonfim, Especial para O Estado de S. Paulo

21 de dezembro de 2019 | 06h50

Os fãs de Star Wars estão ansiosos para a estreia de Episódio IX - A Ascensão Skywalker. O filme acaba de chegar aos cinemas para ser o último da série, que continua conquistando fãs 42 anos após o primeiro lançamento.

Star Wars revolucionou o cinema, a ficção e a cultura pop. Para despertar a curiosidade dos viajantes, separamos de locações a museus com peças originais e de colecionadores, onde é possível conhecer um pouquinho da galáxia muito, muito distante.

Episódio I - A Ameaça Fantasma

O planeta Tatooine não fica tão longe quanto se imagina. Foi na Tunísia, no norte da África, que a aventura de Star Wars começou. As filmagens do primeiro filme foram feitas nas dunas da região de Chott el Gharsa, no Deserto do Saara.

A fictícia Mos Espa, onde Anakin Skywalker e sua mãe, Shmi, foram escravos, também ganhou forma na Tunísia, nas cavernas de Ksar Ouled Soltane. A cidade fortificada fica no sul do país africano. A cidade de casas arredondadas no chão de areia continua de pé na Tunísia, atraindo fãs até o local onde se encontram os sets de filmagem preservados.

Episódio II - Ataque dos Clones

Se você deseja visitar o esconderijo por onde passaram (e se casaram) Anakin Skywalker e Padmé Amidala no Episódio II, o destino é a Itália, na Villa del Balbianello, patrimônio cultural com vista para o Lago de Como, a 650 km de Roma. As produções de 007 - Cassino Royale (2006) e Um Encontro Para Sempre (1995) também passaram por lá.

Episódio III - A Vingança dos Sith

Mostrada no Episódio III, a tailandesa Phang Nga Bay, perto de Phuket, foi usada para compor on vivem os Wookies. No filme, a região serve de pano de fundo para o planeta Kashyyyk.

O lugar também é conhecido como Ilha de James Bond, por ter servido de cenário em 007 Contra o Homem com a Pistola de Ouro (1974). Partindo de Phuket, é possível chegar à ilha de barco. Se feito com agências, o passeio rende ainda algumas paradas em outros pontos turísticos da região.

Guilin, na China, também serviu de pano de fundo para o planeta Kashyyyk. A cidade fica a 2 mil quilômetros de Pequim, e suas montanhas aparecem no momento em que Yoda chega ao local para ajudar os Wookies.

Episódio IV - Uma Nova Esperança

A Tunísia volta a aparecer em takes deste filme da saga de Star Wars. A cidade de Matmata se transformou na casa de Luke Skywalker, onde ele vivia com os tios; as cenas internas foram filmadas no Hotel Sidi Driss.

Lançado em 1977, o primeiro filme passou pela América Central. A base da Aliança Rebelde foi montada nos templos da antiga cidade maia de Tikal, na Guatemala. Patrimônio da Humanidade pela Unesco desde 1979, o sítio arqueológico é um importante ponto turístico do país. A partir da Cidade da Guatemala, capital do país a cerca de 530 km, agências organizam passeios de um dia.

Episódio V - O Império Contra-Ataca

Do clima quente da América Central para o frio da Noruega, chegamos à locação da Batalha de Hoth, onde a Aliança Rebelde e as forças do Império se enfrentaram. Hardangerjøkulen se mostra um destino para fãs obstinados e corajosos a começar pelo número de habitantes - menos de mil pessoas moram no local, que atinge temperaturas muito baixas. A geleira fica a 180 km da capital, Oslo, nas cidades de Ulvik e Eldfjord.

Episódio VI - O Retorno de Jedi

Se o objetivo é estar em pontos cruciais da história, o Redwood National Park, localizado na Califórnia, é destino obrigatório. Lá foi realizada a Batalha de Endor, início da queda do Império. As grandes árvores serão logo reconhecidas pelos mais aficcionados. A entrada é gratuita, e é possível chegar ao lugar de carro partindo de São Francisco. O parque também é reconhecido como Patrimônio Mundial da Unesco.

Episódio VII - O Despertar da Força

No filme que marcou o retorno de Star Wars as telonas, Rey e Kylo Ren aparecem em Takodana. A floresta encantada fica em Puzzlewood, na Floresta de Dean, em Gloucestershire, na Inglaterra. Já a cena final, quando Rey e Luke Skywalker se encontram, foi filmada em Skellig Michael, ilha adjacente à Irlanda que fica a 340 km de Dublin.

Episódio VIII - Os Últimos Jedi

A ilha sagrada de Ahch-To, refúgio de Luke Skywalker e primeiro Templo Jedi, também tem Skelling Michael com cenário. A região é lar de diversas espécies, como o papagaio-do-mar, que serviu de inspiração para os Porgs, espécies nativas de Ahch-To.

Episódio IX - A Ascensão Skywalker

O Deserto de Wadi Rum, na Jordânia, é composto por vales, cânions e dunas. A paisagem aparece em uma das primeiras cenas do trailer de A Ascensão Skywalker. Por sua cor avermelhada, a região já serviu como planeta para diversas produções de Hollywood, como Lawrence da Arábia (1962), Perdido em Marte (2015) e Os Últimos Dias em Marte (2013).

Para curtir a saga completa

Rancho Obi-Wan, na Califónia

O Rancho Obi-Wan é o paraíso para fãs de Star Wars. As visitas guiadas no maior acervo particular relacionado a saga no mundo podem durar de duas a quatro horas. Custam US$ 85 (cerca de R$ 350). São mais de 300 mil itens relacionados aos filmes organizados pelo colecionador Steve Sansweet em uma granja de quase mil metros quadrados. Para fazer o passeio, é preciso reservar os ingressos com dois meses de antecedência.

Star Wars Identities - The Exibition

A exposição itinerante percorre o mundo com mais de 200 itens usados originalmente nas filmagens. Os robôs R2-D2 e C-3PO e os figurinos dos Stormtroopers e de Darth Vader estão entre os itens em exibição. Após passar por cidades como Viena, Lyon, Munique, Londres e Sidney, a mostra está no Warehouse Terrada, em Tóquio. Os ingressos são vendidos pela internet. O site da exposição, em cartaz até 13 de janeiro no Japão, promete o anúncio de novas cidades em breve.

Madame Tussauds em Londres ou Berlim

Personagens e cenas de filmes da saga de Star Wars estão no museu de cera Madame Tussauds em Londres e Berlim. A experiência imersiva na capital da Inglaterra inclui heróis e vilões dos episódios I ao VI, além do painel de voo da Millennium Falcon. No museu de cera da capital alemã, dá para se sentar ao lado do Mestre Yoda no Conselho Jedi e, depois, decidir de que lado da Força você quer ficar no duelos de sabres de luz.

Galaxy Space Pod Hostel, na Islândia

Cápsulas futuristas servem de quarto neste hostel na Islândia. Embora atraia muitos fãs da saga de Star Wars, o Galaxy Space Pod foi inspirado no filme O Quinto Elemento. Há até acomodação com quatro camas queen, indicada para famílias. Além das áreas comuns típicas em hostels pelo mundo, como cozinha e lounge, essa opção de hospedagem em Reykjavík tem uma sala de realidade virtual com cerca de 60 jogos, para os viajantes experimentarem de graça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Livro traz receitas inspiradas no universo Star Wars

Título ensina o preparo de molhos, entradas, carnes e sobremesas; alguns dos pratos são servidos na Galaxy’s Edge, grande novidade dos parques Disney

Redação Paladar, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 21h03

Principal novidade dos parques da Disney de 2019, o Star Wars Galaxy’s Edge (localizado dentro do Disney’s Holywood Studios) tem de tudo para agradar aos fãs dos filmes que se passam numa galáxia muito, muito distante. E a comida com certeza não foi esquecida. Dentro do complexo existem quatro restaurantes temáticos, com comidas e bebidas inspiradas na saga que se encerrou neste ano, com A Ascenção Skywalker.

Para os jedis com fome, mas que ainda não tiveram a oportunidade de conhecer a nova atração, é possível, pelo menos, ter uma ideia dos pratos servidos por lá – e ainda tentar reproduzi-los em casa. Isso porque a Disney lançou também o livro de receitas Star Wars Galagy’s Edge – The Official Black Spire Outpost Cookbook (US$ 25, 99 na Amazon).

Aqui, cabem algumas explicações sobre o universo Star Wars: o Galaxy’s Edge recria o entreposto Black Spire, vilarejo que fica no planeta Batuu, nos confins da galáxia. É para lá que o cozinheiro Strono “Cookie” Tuggs foi depois que perdeu seu emprego de forma trágica. Afinal, Cookie era o chef de cozinha do castelo de Maz Kanata, destruído pela Primeira Ordem no primeiro filme da nova trilogia, O Despertar da Força.

Em uma breve introdução, Cookie conta que se estabeleceu em Batuu depois do ataque ao castelo e montou um restaurante e até uma espécie de food truck espacial. É esse o gancho para ele apresentar as 70 receitas, entre temperos, molhos, entradas, pratos principais e sobremesas. Claro, não espere encontrar receitas com carne de Ewok – os pratos são bastante criativos, mas usam apenas ingredientes encontrados neste planeta. As “Chando Peppers”, por exemplo, são pimentões laranjas. Já o Ronto Wrap, que ilustra a capa do livro, não é feito com carne de ronto (um animal encontrado nas areias do planeta Tatooine), mas com porco moído e linguiça.

Mas não deixa de ser divertido ler os textos em que Cookie conta sobre os “ingredientes” encontrados no universo Star Wars. Confira aqui a receita do Ronto Wrap, o prato mais apreciado no entreposto de Black Spire, segundo o próprio Cookie.

 

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaStar Warsreceita culinária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.