Por que os brasileiros são queridos

miles@estadao.com.br

Mr. Miles, O Estado de S. Paulo

19 Maio 2015 | 16h28

Como era de se esperar, alguns leitores amigos de animais não gostaram de saber que mr. Miles alimenta sua raposa das estepes siberianas sobretudo com whiskies mais velhos ou single malts. “Fico pensando em quantas pessoas vão ler isso e achar que, para ser chique, é preciso dar bebida alcoólica para um cachorro, porque nem todo mundo consegue discernir o real do fantasioso, infelizmente”, foi o que disse Paula Delgado – que, ao que tudo indica, é uma nova leitora da coluna. 

Nosso viajante oferece à leitora suas mais profundas desculpas, mas afirma que sua intenção não é fazer com que as pessoas ofereçam bebidas alcoólicas para seus animais de estimação. “Em geral, dear Paula, eles não gostam nem um pouco da experiência. No caso de Trashie, however – e como os leitores já sabem –, eu a encontrei na cidade siberiana de Irkutsk, no meio de profundo inverno. 

Eu a acolhi, levei-a para o hotel, ofereci leite, carne, pão e a pobre permaneceu sentada, inexpressiva. Diante de tantas recusas, abri uma garrafa metálica em que costumo carregar um pequeno estoque de whisky 12 anos e fui me servir. Nesse exato momento, Trashie começou a lamber seus lindos beicinhos. Eu relutei um pouco, mas logo intuí que ela já era dependente do álcool. 

Minha intenção, dear Paula, era salvar uma cadelinha e não corrigir uma alcoólatra. E sinto-me muito feliz por tê-lo feito, I’m afraid!”

A seguir, a pergunta da semana:

Li, numa pesquisa cuja fonte não recordo, que o brasileiro é o povo com maior facilidade em fazer amigos em viagens. O senhor concorda?

Paulo Sérgio Schultz, por e-mail

Of course, my friend: os brasileiros costumam ser simpáticos, expansivos e têm – mais apropriado dizer que tinham – uma excelente autoestima. Essas características, I must say, costumam fazer com que os viajantes usem muitas roupas verde-amarelas, cantem muitas de suas canções e ajam como se, de fato, todo o mundo estivesse muito feliz com a sua presença.

É muito melhor, for instance, do que o que ocorre com seus vizinhos argentinos. Esses gostam de andar em bandos, dizem que Maradona é melhor do que Pelé (pobre gente ignara) e, ao contrário de vocês, agem como se, de fato, todo o mundo se sentisse muito mal com sua presença.

Anyway, a pesquisa me parece ter alguma lógica. Entre as populações muito numerosas do planeta, os chineses ainda são monoglotas e disciplinados como nos tempos de Mao. O que significa que terão muita dificuldade em abordar estrangeiros nos países que visitam. O mesmo ocorre com japoneses e indonésios (a maior população muçulmana do planeta) que, besides, quase não viajam. Turismo hindu ainda é incomum. Os russos, que agora despejam multidões mundo afora têm se revelado, well... como dizer... ligeiramente primitivos. Falam alto, gritam, empurram os demais e, sometimes, get drunk.

Americanos em viagem têm aquela cordialidade de atendentes de lanchonete. Sempre oferecem um sorriso treinado, uma frase afetuosa mas, de fato, não se interessam muito por nada. Alemães, unfortunately, simplesmente não são afetivos. Eis porque, a meu ver, os brasileiros lideram a pesquisa. Don’t you agree?”

MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS.

Mais conteúdo sobre:
Mr. Miles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.