Porque a vista compensa

Indie ou artesanal

O Estado de S.Paulo

17 Junho 2014 | 02h08

Dirija pela linha azul da circundante Cordilheira Brindabella até o centro da cidade. Assim que sair da estrada principal, pare em um dos dois grills da Lonsdale Street para um café gelado com casquinhas de laranja. Depois, dê uma espiada na Hipseley Lane para achar antiguidades e fuçar marcas de design indie e lojas de roupas. Você pode encontrar brincos e broches artesanais ou luminárias feitas com madeira australiana na Lonsdale Street Traders.

Alto lá

Pela estrada e sob o aroma dos eucaliptos, siga a Mount Ainslie. Dali a vista se estende do topo da montanha até a mata de arbustos propícia aos cangurus, e abarca o Australian War Memorial, o Burley Griffin Lake, a prefeitura e o Mount Bimberi, o pico mais alto da região. Eis o panorama clássico traçado pelos visionários de Camberra - arquitetos da Prairie School, contemporâneos de Frank Lloyd Wright.

Bikes à moda de Paris

Você pode também pedalar ao estilo parisiense (em dupla, com chapéus de sol, baguete não obrigatória) em torno do lago. Alugue as bicicletas no Mr. Spokes (a partir de US$ 20 a hora) e faça a Central Basin Loop em uma hora. Lugares como o National Carrillon e a Reconciliation Place, uma eletrizante escultura em homenagem ao povo aborígine, merecem parada demorada.

Tony Abbott não curtiu

Caminhe pelo gramado até a Aboriginal Tent Embassy, local de protestos estabelecido por ativistas aborígines nos anos 1970 e ancorado por um galpão pintado com as cores da bandeira nativa vermelha, preta e amarela.

No alto da colina está a nova Casa do Parlamento - no caminho, a antiga, em estilo art déco, foi aposentada após a rainha Elizabeth II abençoar o prédio novo, em 1988. A visita guiada é a melhor maneira de entender o que pode ser o mais espaçoso e bem iluminado bunker do mundo. Comece no Grand Hall, onde boa parte da história australiana se desenrolou, incluindo a descompostura feminista que a ex-premiê Julia Gilliard passou no premiê Tony Abbott, em 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.