Nathalia Molina @ComoViaja
Nathalia Molina @ComoViaja
PUBLICIDADE

Praia do Forte para crianças, entre bichos e brincadeiras

Famílias encontram os projetos Tamar e Baleia Jubarte, além de uma vila com muitos serviços e resorts com recreação no norte da Bahia

Nathalia Molina, Especial para o Estadão

22 de abril de 2022 | 05h00

O que é, o que é? Tem tartarugas, mas não é zoológico. Tem muitas piscinas, mas não é parque aquático. É cheio de tio, mas não é família. É a Praia do Forte, na Bahia! O destino no município de Mata de São João, a apenas uma hora de carro de Salvador, faz a alegria da criançada. Para começar, é rapidinho chegar lá a partir do aeroporto da capital baiana, não precisa nem passar pela cidade. A estrada é boa, sem sacolejos no caminho, perfeita para aquele cochilinho gostoso depois do voo.

É bom estar descansado porque tem muita coisa pela frente para a família toda aproveitar. Na hora de se hospedar, esse pedaço do norte da Bahia tem o dom de aliar a bela natureza à estrutura de resorts com a recreação. O único deles na vila é o Tivoli Ecoresort Praia do Forte, vizinho à Reserva Sapiranga, lugar de passeios com mata e rio.

Em qualquer idade, todos vão se encantar com os animais do Projeto Tamar, que também organiza algumas solturas de tartarugas-marinhas em frente a resorts da região, para envolver os hóspedes. Na sede da Praia do Forte, com o retorno gradual das atividades durante a pandemia, há novidades para visitantes.

Entre elas estão um tanque novo, um app para facilitar a visita e uma versão mais curtinha do Biólogo por Um Dia. Ela foi adaptada para durar duas horas, sob medida para a garotada alimentar e dar banho nas adoráveis cascudas. Na saída, uma passadinha na loja para garantir um souvenir fofo e contribuitivo. Com a renda do ingresso e dos produtos, o Tamar consegue bancar o projeto, atualmente com seis centros de visitantes no País. 

Além das tartaruguinhas, a Praia do Forte recebe baleias jubarte, todo meio de ano, até outubro. Em julho, começa a temporada de observação, uma boa forma de contribuir com a preservação desses mamíferos. As saídas em busca de ver os animais duram em média cinco horas. É indicado procurar uma das agências parcerias do Projeto Baleia Jubarte, que trabalha pela conservação dessas gigantes.

Inaugurada em 2004, a unidade baiana conta com réplicas dos animais em tamanho natural e visita guiada, mas também é possível ver por conta própria os painéis interpretativos e o esqueleto de uma baleia jubarte adulta.

Não falta nem castelo no destino baiano. Em ruínas, o Garcia D’Ávila conta a história da região, num museu e numa apresentação com projeções sobre as paredes cruas de 1551. Do alto da colina, tem-se ainda uma bela visão do mar. Mar esse que, no trecho perto da vila, é calmo e forma piscinas naturais na maré baixa, em praias como a do Lord.

A garotada adora nadar entre peixinhos, assim como curte dar uma voltinha nos meios de transporte inusitados do destino. Ao longo da rua principal, da entrada da vila à Igreja de São Francisco de Assis, é comum ver famílias a bordo de quadriciclos, não os motorizados, e sim movidos a pedaladas.

Entre um passeio e outro, uma parada para comer peixes e frutos do mar e se refrescar na Sorveteria da Ribeira. Tradicional em Salvador, ela abriu a unidade na Praia do Forte pouco antes da pandemia. Os sabores regionais incluem um sucesso de público: coco verde, com gostinho daquela parte molinha de dentro do fruto misturada à água dele.

Resorts com recreação infantil

Se a pousada ficar fora do centrinho, dá para voltar de tuk tuk, sacolejando nos bancos de coloridos carrinhos de passageiros puxados por motos. Essa é uma das opções de transporte para quem fica também no Tivoli Ecoresort Praia do Forte, ao lado da Reserva Sapiranga. Passeios de buggy e de quadriciclo motorizado são organizados pela agência do hotel e também por outras do destino. Os veículos percorrem trilhas na mata, e há pausa para banho de rio e opção de passeio de canoa.

Com 287 quartos e 4 pool villas em 30 hectares, o Tivoli Ecoresort está localizado diante de um mar calmo, apreciado da varanda das acomodações ou do gramado, repleto de quiosques com espreguiçadeiras. Construídas em partes mais altas do terreno, as piscinas também mostram o azul, frequentemente emoldurado por coqueiros.

No café da manhã farto e variado, é fácil encontrar algo que agrade aos pequenos. Ao lado de frutas, pães diversos, ovos, sucos e água de coco, há opções regionais como tapioca e cuscuz doce. As diárias sempre incluem meia pensão, com direito a jantar. O cardápio temático muda toda noite, entre cozinha espanhola, francesa e brasileira, por exemplo.

Localizado em meio ao jardim, o clube Careta Careta reúne brinquedoteca e parquinhos seco e molhado, para crianças de até 12 anos – até os 3 anos, o responsável têm de estar junto. Caça ao tesouro e queimada fazem sucesso com os viajantes mirins. Com quatro baby copas, o hotel oferece opção de menu personalizado para almoço e jantar e de babás (pago à parte).

À medida em que crescem, meninos e meninas são potenciais candidatos a experimentar também as brincadeiras na praia, contratando os serviços da náutica, como banana boat e stand-up paddle.

Mais ao sul no litoral baiano, o Vila Galé Marés segue a mesma cartilha para viagens com filhos. Com 576 habitações, o resort tem quadras de tênis e futebol social, academia, oito restaurantes e seis bares, além de piscinas, sauna e o Satsanga Spa.

All inclusive, o resort tem piscinas e monitores para entreter os pequenos. No Clube Nep, crianças entre 4 e 12 anos se divertem com as atividades propostas, como gincanas, pintura, jogos, dança e música.

Quanto custa

Tivoli Ecoresort Praia do Forte: Diárias a partir de R$ 2.010 para duas pessoas, incluindo café da manhã e jantar. Criança de até 2 anos não paga; de 3 a 11 anos, há uma taxa. Banana boat e stand-up paddle, desde R$ 50 por pessoa. Serviço de babá: mínimo de três horas, a R$ 28 cada.

Vila Galé Marés: Quatro noites para um casal e uma criança de até 12 anos, desde R$ 5.400, all inclusive.

Projeto Tamar: 4ª/dom., 11h/17h. R$ 35 – estudante, R$ 17,50; até 5 anos, grátis; Passaporte família para dois adultos e duas crianças, R$ 96. O Biólogo por Um Dia: adulto, R$ 120 (1h30); criança, R$ 220 (2h).

Projeto Baleia Jubarte: 3ª/dom., 9h/17h30 R$ 12 – meia entrada, R$ 6.

Castelo Garcia D’Ávila: 6ª/dom., 9h/18h, com vídeo mapping – 4ª e 5ª, no mesmo horário, sem projeção. R$ 30 (estudante, R$ 15; até 5 anos, grátis).

Portomar: A saída para observação de baleias jubarte custa R$ 300 por pessoa; criança de 5 a 10 anos paga R$ 200. O tour para a Reserva Sapiranga tem quatro saídas diárias. Custa R$ 370 por buggy para até três pessoas ou R$ 300 para duas pessoas de quadriciclo motorizado (sozinho a R$ 270)

Encontrou algum erro? Entre em contato

PUBLICIDADE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.