Quatro apaixonantes metrópoles recebem a elite do tênis mundial

Assistir de perto à atuação de tenistas como Roger Federer, Rafael Nadal e Novak Djokovic, que acumulam recordes e dão show nas quadras de tênis, é uma experiência e tanto até mesmo para quem não acompanha o esporte com frequência. Não é de se estranhar, portanto, que os quatro principais torneios – que formam o chamado Grand Slam –, em Melbourne, Nova York, Londres e Paris, sejam tão disputados.

O Estado de S. Paulo

31 Dezembro 2012 | 15h44

 

Para os brasileiros, a capital francesa tem um gostinho especial: foi no saibro de Roland Garros que Gustavo Kuerten venceu três vezes e abriu os olhos do País para o esporte. No site rolandgarros.com há ingressos desde 54 euros (R$ 148) para a edição 2013, entre os dias 21 de maio e 9 de junho. Agências como Biarritz vendem pacote terrestre a partir de 2.435 euros, com ingresso.

 

Boa pedida até fora da época da competição é fazer um tour pelas quadras e descobrir as relíquias guardadas nos 2.200 metros quadrados do Musée du Tennis. A visita combinada custa 15 euros (R$ 41).

 

Já o torneio londrino, de 24 de junho a 7 de julho, tem charmosa particularidade: as quadras de Wimbledon são as únicas de grama do circuito e têm um ar de nobreza. Atração à parte, seu museu tem vasta coleção de troféus e vídeos sobre o evento.

 

Do outro lado do Atlântico, a sofisticação dá o tom no US Open, em Nova York, entre 26 de agosto e 8 de setembro. A Teresa Perez Tours leva os fãs às duas competições por a partir de US$ 3.735 e US$ 2.803, respectivamente.

 

Do outro lado do mundo, de 14 a 27 de janeiro, o Aberto da Austrália inicia a temporada de Grand Slams no piso rápido de Melbourne. Há ingressos desde 69,90 dólares australianos (R$ 150) e pacote de cinco noites com aéreo desde US$ 3.820 na Top Brasil./ F.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.