Recantos de tradição e cultura em Damasco

A capital que se orgulha em ser a mais antiga cidade habitada do mundo reserva monumentos históricos admiráveis e hábitos únicos, além de toques de modernidade

08 Janeiro 2011 | 10h00

 

Damasco adora exibir sua idade. A capital da Síria alega ser a mais antiga cidade habitada do mundo, reunindo tradições das grandes religiões, que remetem à Bíblia cristã e ao Corão, além de ruínas romanas, islâmicas e antigos edifícios que foram palácios na Era Otomana (século 13). Mas isso não quer dizer que a cidade ficou presa no tempo.

 

Dezenas de casarões seculares renasceram como alguns dos mais pomposos hotéis do Oriente Médio e lojas de grifes internacionais e restaurantes de alta gastronomia estão lado a lado das relíquias monumentais da Cidade Velha. Mesmo exalando sua rica cultura pelas ruas, a metrópole antiga respira ares da juventude.

 

Legado

Um dos lugares mais sagrados da religião islâmica é a Mesquita dos Omíadas, ou simplesmente Mesquita de Damasco. Construída no início do século 8º - ocupou a antiga área de um enorme templo romano -, trata-se de uma vasta estrutura retangular, conhecida mundialmente por seus belos mosaicos verdes e dourados e pelos valores religiosos que ali se fortificaram. Logo ao lado está o mausoléu de Saladino, o grande líder das forças islâmicas que lutou contra Ricardo Coração de Leão durante as Cruzadas. E, ao leste, turistas se deparam com a cena mais tradicional do local: devotas vestidas de preto se reúnem diante do caixão do mártir xiita Hussein, neto do profeta Maomé, para rezar e agradecer as graças alcançadas. Ingressos a 50 libras sírias (R$ 1,80).

 

Banho público

Sentir-se sufocado em um quarto subterrâneo quente e úmido enquanto um estranho esfrega sua pele pode não soar como a forma mais sexy de fitness, mas a antiga tradição é comprovadamente restauradora. Construído no século 14, o banho público Hammam Al Nasri, na Cidade Velha, reabriu no verão passado depois de meio século de inatividade. O ritual consiste em pegar uma toalha, achar um canto para se acomodar e deixar os vapores superaquecidos liberarem as toxinas de seus poros. Para terminar, funcionários vão esfoliar sua pele e, já envolto em toalhas macias, vão levá-lo para o salão de chá. Em tempo: até as 16 horas, o local só recebe mulheres. Após este horário e nas sextas-feiras, somente homens. A experiência custa 380 libras sírias (R$ 13,50).

 

 

Ir às compras

O souk El Hamidyeh é, sem dúvidas, o mais famoso mercado de Damasco. Localizado na Cidade Velha, se estende por 500 metros, bem perto da Mesquita dos Omíadas. Foi erguido aos poucos, durante toda a Era Otomana e reformado inúmeras vezes até os dias de hoje. É coberto por abóbadas de ferro tão antigas que não mais restringem a entrada dos raios solares. Para quem procura itens tradicionalmente sírios, é o local ideal. As lojas do souk vendem os famosos tecidos, vestimentas e peças de ouro e prata do país. E não se esqueça, como em todo mercado público, ali também vale a lei da barganha. / COM NYT

 

 

Veja também:

linkUma vitamina muito especial

linkDubai: como curtir as 1.001 extravagâncias

linkA bem menos turística Barcelona de Domènech

link Contagiante

link Embarque em um cruzeiro à la carte

blog  Blog. Dicas e bastidores das viagens da nossa equipe

blog Twitter. Notícias em tempo real do mundo turístico

Mais conteúdo sobre:
viagemDamascotradiçãocultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.