Regras de segurança para 'blindar' o passeio

As estatísticas assustam. A África do Sul ostenta um nada lisonjeiro primeiro lugar no ranking mundial de homicídios e estupros, de acordo com o site NationMaster, que reúne dados de fontes como as Nações Unidas e a americana CIA. Também segundo lugar em violência armada e sequestro, terceiro em assaltos e sexto em roubo de carros. Mas não há clima de guerra nas ruas. As autoridades do país têm feito esforços para garantir uma Copa segura.

O Estado de S.Paulo

25 Maio 2010 | 01h55

Há cuidados que você mesmo pode tomar para tentar blindar sua viagem. Algumas orientações são óbvias, ao menos para brasileiros que moram em grandes cidades, como evitar lugares vazios e escuros à noite. Mais uma: só visite bairros de periferia, como o Soweto, acompanhado por guia local indicado pelo hotel ou por agência de viagens.

É bom evitar dirigir nas cidades. O país tem mão inglesa, o que pode provocar algumas confusões, e muitas ruas em estado precário. Acidentes de trânsito podem acabar em briga.

Prefira contratar um motorista ou pegar táxi, mas não no meio da rua. O ato de estender o braço e chamar um carro não é hábito nem entre moradores, especialmente mulheres. O sistema de transporte é bem confuso: lotações sem identificação de itinerário também são chamadas de "taxi" em inglês.

Para evitar problemas, peça indicações e chame o táxi por telefone. Mulheres também não andam sozinhas na rua, especialmente em Johannesburgo.

Nas saídas noturnas, desconfie do papo simpático e prestativo de estranhos. Na Cidade do Cabo, por exemplo, como as casas noturnas da Long Street não cobram entrada, os visitantes entram e saem à vontade quando o ambiente não agrada. Nesses deslocamentos, traficantes e pedintes aproveitam para abordar os turistas. Surgem até falsos organizadores de festas. Não caia neste golpe: pode ser uma tentativa de assalto.

Bom senso. Tenha o telefone da polícia (10111) gravado em uma tecla do celular, para emergências. Caso precise atender o aparelho, pare em um local movimentado, como café ou shopping. Como manda o bom senso em qualquer país com desigualdade social, ostentar o celular e outros eletrônicos, como câmera fotográfica, laptop e iPod, é um convite a assaltantes.

Valem cuidados também indicados para outros destinos. A porta do quarto do hotel deve ficar trancada enquanto você estiver lá dentro. Objetos de valor e documentos, principalmente o passaporte, ficam mais seguros no cofre - ande com uma cópia.

Por último, algo a ser feito ainda no Brasil: no aeroporto, empresas oferecem o serviço de embrulhar malas com plástico aderentes. É um bom recurso para a bagagem a ser despachada. Caso contrário, há risco de encontrar os pertences revirados no desembarque na África do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.