Reinventando Maragogi

Envie sua pergunta para: viagem.estado@estadao.com

Ricardo Freire, O Estado de S.Paulo

21 Janeiro 2014 | 02h13

Endereço das maiores e mais vistosas piscinas naturais do Nordeste - as Galés -, Maragogi é um ímã de passeios bate-volta. Os turistas saem às centenas de Maceió (a 130 km) e Porto de Galinhas (a 110 km) para embarcar nos catamarãs que levam às piscinas, que ficam em alto-mar, a meia hora de viagem.

Até há poucos anos, este passeio era um dos mais bagunçados do Brasil. Turistas compravam saquinhos com ração de cachorro para atrair peixinhos. Jangadas-bar se instalavam junto às piscinas. Pisava-se livremente nos corais. De tão lotadas, as piscinas pareciam casas de banho no Japão.

Em 2009 o passeio foi regulamentado. As piscinas continuam apinhadas, mas há um teto de 720 visitantes por dia - sem ração, sem álcool e sem caminhar nos corais. Para acomodar a procura, foram abertas outras duas áreas: as piscinas de Taocas e de Barra Grande. São menores do que as Galés, mas oferecem a mesma experiência: água transparente, corais e peixinhos. A pegadinha: os vendedores não informam aos passageiros que o destino talvez não seja as famosas Galés. Mas quer saber? Não importa, mesmo.

Na esteira da organização dos passeios às piscinas, a orla da vila será revitalizada. Os restaurantes irregulares serão retirados e darão lugar a quiosques licitados. Sinto falta apenas de enquadrarem os bugueiros, que agem livremente em praias de sonho - Barra Grande, Antunes e Ponta de Mangue, ao norte da vila, que têm o mar azul-bebê mais bonito da costa brasileira.

Pois bem. Ao largo do turismo de massa, está surgindo uma Maragogi de charme, para ser curtida em petit comité. Hóspedes das pousadas Praiagogi e Camurim Grande são levados de lancha ou jangada às piscinas da Croa de São Bento, muito menos frequentadas - e que, de quebra, ainda oferecem uma prainha de areia branca que parece um pedacinho das Maldivas.

A belíssima Camurim Grande (camurimgrande.com.br), assinada pelo mesmo arquiteto que projetou o resort Nannai, está isolada numa península entre o rio e o mar, e tem sua própria trilha à sombra de castanheiras e coqueiros. A pequenina Praiagogi (pousadapraiagogi.com) tem um astral Grécia-no-Nordeste e um restaurante com cardápio super criativo (tagliatelle com camarão e caju, por exemplo). Está indo tão bem que nos próximos meses vai abrir uma segunda ala, duas casas adiante, com piscina e estrutura para receber crianças: a Little Praiagogi.

Belo trabalho, Maragogi. Vamos resolver agora a história dos bugues?

Mais conteúdo sobre:
Ricardo Freire

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.