Gilberto Amendola/Estadão
Gilberto Amendola/Estadão

Relaxar na areia, cantar no karaokê, mergulhar

Achou Manila um pouco demais? Talvez seja. Mas as Filipinas são como um quebra-cabeças. Pertinho da metrópole agitada existem ilhas de sossego. Em pouco mais de 1 hora de voo da capital, você pode alcançar lugares idílicos como a Ilha de Boracay. Esqueça Porn Star e Jesus Christ atrapalhando o tráfego. Em Boracay, você verá tuk-tuks, estradas de terra e o azul e cristalino Oceano Pacifico. 

O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2017 | 04h30

Para chegar até lá, basta pegar um voo curto para a cidade de Caticlan. Do pequeno aeroporto, uma van (ônibus ou triciclo) leva até o píer de Boracay (os preços variam, mas tenha em mente que não se deve gastar mais de US$ 6 nesse trajeto). Dali, é preciso seguir de barco até seu destino na ilha, que vai custar mais uns US$ 3. Parece sofrido, mas a paisagem e o combo van e barco já fazem parte da diversão. 

Os melhores meses para aproveitar o que de melhor Boracay tem pra oferecer são novembro e maio. Nesse período, chove pouco e o sol bate cartão. Mesmo na alta temporada, é possível encontrar hospedagem para mochileiros (de US$ 30 a US$ 50 a diária) e resorts cinematográficos (que partem de US$ 150 a diária).

Casais em lua de mel e famílias costumam optar pelos resorts – que têm um apelo romântico e recheiam o dia com atividades seguras e relaxantes. Piscinas que desembocam no mar, massagens de 1 hora e caminhadas por um cenário de floresta tropical estão entre as opções. Também não é difícil encontrar homens de negócio que saem de uma semana estafante em Hong Kong, a menos de três horas dali, e vão esfriar a cabeça em Boracay. Fazer nada é um programa interessante por lá. 

Viajantes solitários ou os mais jovens podem preferir o agito do centro de Boracay. Barzinhos e restaurantes se espalham pela orla. É divertido fazer um pinga-pinga, pulando de um para o outro: músicas pop em um, cerveja no outro, karaokê. 

Quem não quiser fazer o périplo dos bares andando, pode pegar um tuk-tuk. Eles são baratinhos e podem ser compartilhados. Aliás, no caso de compartilhar um triciclo, aproveite para bater um papo com o motorista ou um passageiro local. Embora a língua oficial seja o filipino, o inglês é totalmente difundido entre a população (desde a 2.ª Guerra). A comunicação é fácil pra qualquer turista um com um pouco de inglês. 

Boêmios acostumados com noitadas em grandes capitais podem achar a cena de Boracay meio morna. O fato é que a ilha é muito mais afeita à vida diurna. Acordar cedo é uma vantagem espantosa por lá – começando pela oportunidade de ver o nascer do sol em pontos como a praia Bulabog. 

Mas a faixa de areia mais famosa é a da Praia Branca, com seus 4 quilômetros de costa. O nome, claro, refere-se a cor da areia. Além de caminhadas à beira-mar, o turista pode gastar energia nas atividades marítimas. Agências de turismo oferecem dias inteiros de mergulho. Com um simples snorkel, você já tem acesso à riquíssima vida marinha (e se você tiver um equipamento adequado vai poder tirar fotos incríveis). Além de mergulho, tem banana boat, stand up paddle, kitesurf, e todas aquelas atividades que eu, pessoalmente, prefiro acompanhar do barco.

Boracay é um clichê de paraíso. E isso, na verdade, não deve ser um problema. O que pode ter de errado em voar para o outro lado do mundo simplesmente para ficar de boa? 

Mais conteúdo sobre:
Filipinas Borocay Filipinas [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.