Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters
Imagem Adriana Moreira
Colunista
Adriana Moreira
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Romance ou perrengue?

No Dia de São Valentim, desmistificamos passeios supostamente românticos

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2020 | 06h00

Hoje é Dia de São Valentim, considerado patrono dos apaixonados – em muitos países, por essa razão, hoje é também Dia dos Namorados. Por isso, trago alternativas para programas supostamente românticos mas que, na prática, podem custar seu bom humor e prejudicar o clima a dois. Não vou julgar se você pretende fazer (ou já fez) algum deles. Mas dá para substituir por algo mais bacana.

Cadeados do amor

A praga dos cadeados do amor saiu de Paris para se espalhar pelo mundo todo. As pessoas não podem ver uma cerquinha que já querem colocar seu cadeado lá. Eu, particularmente, não gosto da ideia de prender um amor com cadeado e jogar a chave no rio, mas o problema maior nem é esse: os cadeados em excesso são pesados e abalam a estrutura das pontes. A chave jogada no rio nada mais é para a natureza do que lixo. Paris já é uma cidade naturalmente romântica, você não precisa disso para declara seu amor. Um piquenique a dois, com vista para a Torre Eiffel, é mais divertido – e ótimo para criar boas memórias. 

Encontro no alto do Empire State

Sou fã dos filmes Tarde Demais para Esquecer (1957) e Sintonia de Amor (1993). Mas marcar um encontro no alto do Empire State Building, em Nova York, não funciona mais hoje em dia. Não há nada menos romântico que encarar uma fila quilométrica para subir no alto do prédio icônico. Vocês certamente vão passar nervoso. A administração do prédio dá uma dica para quem sonha em fazer o pedido de casamento ali ou ter um momento a dois. De quinta-feira a sábado, das 22h a 1h, um saxofonista se apresenta no observatório do 86.º andar. Segundo a empresa, é o melhor horário para soltar seu lado romântico.

Passear em Veneza

Veneza é linda, mas está sempre lotada de turistas. No verão, há os cruzeiros que ainda lotam a cidade; no inverno, a acqua alta. Se a sua ideia de escapada romântica é ficar em filas, pagar caro em um hotel mais ou menos e se acotovelar em uma espécie de 25 de Março com canais, vá fundo. Mas a Itália é repleta de cantinhos mais exclusivos, nos quais você pode curtir lindas paisagens de uma maneira bem mais agradável e exclusiva. A região da Toscana, por exemplo, tem refúgios de sobra para curtir a dois, com ótimos vinhos e excelente comida. Não me entenda errado: Veneza vale a visita, com ou sem perrengue, a dois, sozinho ou em grupo. Mas é bom ajustar as expectativas em torno do significado de “romântico” antes de planejar as férias. Ou consulte nosso guia para fugir das multidões na cidade aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.