Ricardo Freire/AE
Ricardo Freire/AE

Rota Ecológica: novidades pé-na-areia em Alagoas

Confira as dicas de Ricardo Freire, que estreia no caderno ''Viagem & Aventura'

Ricardo Freire, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2009 | 02h24

Para descansar e comer bem, não conheço melhor lugar na costa brasileira do que o trecho do litoral alagoano conhecido como Rota Ecológica, 100 quilômetros ao norte de Maceió. Há pousadas para todos os bolsos - todas com excelente relação preço x qualidade. É uma região que não para de evoluir: do verão para cá, surgiram novas pousadas e outras fizeram importantes upgrades.

Na categoria luxo, a maior novidade é a Infinito Mar. Os donos são argentinos apaixonados pelo Brasil e que fizeram questão de estudar português na escola antes de emigrar. Os quatro bangalôs branquinhos, com cobertura de piaçava, têm saleta e uma banheira no jardim de inverno, protegida por um gazebo. A piscina é escancarada para a Praia do Marceneiro, em Barra de Camaragibe - na ponta sul da rota. As diárias saem por R$ 400, com jantar (pousadainfinitomar.com.br; tel.: 0--82-3258-5107).

Outras duas pousadas inauguraram bangalôs superconfortáveis, perfeitos para lua de mel. O da Pousada da Amendoeira tem pátio e ofurô, e diária de R$ 400 (R$ 370 na baixa), com jantar (pdamendoeira.com.br; tel.: 0--82-3295-1213). Os da Pousada do Caju vêm com varanda, LCD de 42 polegadas e jacuzzi, a R$ 490 (R$ 390 na baixa), com jantar (www.pousadadocaju.com; tel.: 0--82-3295-1103).

E na pioneira Pousada do Toque, a nova bossa é um sushibar, abastecido somente com peixes da região e incluído na diária, mediante reserva. O maki de lagostim é imperdível. Diárias dos chalés standard desde R$ 510 (R$ 420 na baixa), com jantar (www.pousadadotoque.com.br; tel.: 0--82-3295-1127).

O último verão trouxe também boas notícias no front econômico: a região ganhou suas duas primeiras pousadas pé-na-areia para mãos-fechadas.

Um italiano e uma paranaense de Londrina pegaram uma pousadinha detonada e deram um trato, visando ao público mais jovem e desencanado. Rebatizaram o lugar de Pousada do Sonho, puseram ar condicionado, TV 21 polegadas e DVD nos quartos, e deram um belo upgrade ao apartamento da frente, que virou um bangalô com varanda privativa para o mar e solário. A localização é especial: no meio do caminho entre o Rio Tatuamunha (santuário de peixes-bois) e o povoado de Porto da Rua. A diária sai por R$ 280 no bangalô da frente e R$ 200 nos apartamentos, com jantar (sem site; tel.: 0--82-9910-9221).

A outra pousada budget, a Riacho dos Milagres, é um pouco mais convencional. Tem quartos bem-equipados, dispostos em duas fileiras no fundo do terreno. Na frente, uma piscina e aquele que é, literalmente, o seu ponto alto: um quiosque de dois andares, de onde se avista a enseada mais bonita de São Miguel dos Milagres, a Praia do Riacho. As diárias saem por R$ 200, com jantar incluído (www.riachodosmilagres.com.br; tel.: 0--82-9312-0258).

INTERNET PARA VIAGEM

www.tripadvisor.com.br

O maior site de resenhas de viagem agora tem páginas e formulários em português - mas os depoimentos, em sua maioria, continuam em inglês. Com o tempo, devem aparecer mais comentários na nossa língua (e ao nosso gosto). Colabore: deixe suas opiniões sobre hotéis onde tenha estado recentemente.

VIAJANDO NA NOTÍCIA

Cancún

Vale tudo para trazer os turistas de volta. Três redes de hotéis - a Real (www.realresorts.com), a A.M. (www.amresorts.com) e a Karisma (www.karismahotels.com) - estão oferecendo um seguro inusitado. O hóspede que pegar gripe suína durante a sua estada ganha três férias grátis nos próximos três anos, pela mesma duração da temporada reservada neste ano. O seguro é válido para reservas até 30 de junho, para quem viajar até 20 de dezembro - e inclui apenas a hospedagem, sem parte aérea ou refeições. Ações de marketing à parte, uma coisa é certa: pós-gripe e em meio à crise americana, passar férias em Cancún vai ser bem em conta nos próximos meses.

PODE EMBRULHAR

AMAZÔNIA: HOTEL DE SELVA E BARCO - 6 DIAS - R$ 3.908

Junho é o último mês para aproveitar essa bela ideia da Freeway: hotel de selva com um minicruzeiro no mesmo pacote. Em terra firme, a hospedagem é no Amazon Ecopark, um lodge de porte médio, com uma praia de areia branca no Rio Tarumã. O ponto alto são os dois dias descendo o Solimões a bordo do Amazon Clipper, um barco regional adaptado para receber turistas com todo conforto. Se você tem milhas - ou quiser aproveitar os voos baratos da Azul, saindo de Campinas -, pode comprar só a parte terrestre, a R$ 2.888 em quarto duplo. Mais informações: freeway.tur.br.

MURILO QUIRANA

Esta coluna tem um time de correspondentes-viajandões que não param de mandar notícias. Hoje a dica é de Murilo Quirana, o Mu, que está em Madri. Mu é o mais mão-fechada da família Quirana e sempre tem uma boiada para contar. (Na próxima semana: Gilson Gelson, nosso viajante GLS)

''Caros, o barato aqui em Madri é entrar na fila! Não em qualquer fila, claro. Tem que ser na fila do Museu do Prado. E num horário determinado: às 5 e meia da tarde. É que entre 6 e 8 da noite (no domingo, a partir das 5) a visita ao museu é grátis. Como existe um limite de lugares, se não chegar cedo, você dança. O bom da fila é que você tem aí uma meia hora para conversar e fazer amizades. Eu vou todas as tardes (menos segunda, quando o museu fecha). Vai que eu consigo também descolar um jantar na faixa...''

VIAJE NA PERGUNTA

Costumo passar o Réveillon em Trancoso. Neste ano quero ir a um lugar menos cheio, mas ainda assim com vida social. Sugestão?

Paula, São Paulo

Nos últimos anos, habitués de Trancoso, incomodados pelo excesso de movimento e pelos preços altos do fim do ano, têm se reunido na praia baiana de Barra Grande, na Península de Maraú. Na época do réveillon brota por lá uma muvuca charmosa, que dura até os primeiros dias de janeiro. A melhor pousada é a Denada (www.denadaposada.com). Outro lugar que tem estado quente no réveillon é Moreré, na Ilha de Boipeba. Ano passado quem pintou por lá foi o eterno talking head David Byrne. Pegue o teco-teco em Salvador e cruze a ilha de jardineira. A vista dos bangalôs da Les Alizées é inigualável (www.hotelalizeesmorere.com).

Vamos para Lençóis Maranhenses em agosto com duas crianças. Onde é bom descansar na praia depois, com conforto?

Louis-Philippe, São Paulo

Agosto é uma época ótima para pegar praia no Piauí e no Ceará: não chove de jeito nenhum e o mar está mais bonito do que em boa parte da costa leste do Nordeste. Saia do parque dos Lençóis por Caburé, num off-road. Organize o traslado com uma boa agência local, como a EcoDunas (www.ecodunas.com.br). Descanse uns dias em Barra Grande, no Piauí, reduto de kitesurfistas onde há uma enseada linda, pousadas descoladas e uma colônia de cavalos-marinhos no rio; fique na Casa Tartaruga (www.casatartaruga.com). Depois ande 120 km até Jericoacoara, onde uma bela pedida é a Casa de Areia (www.casadeareia.com). Volte a São Paulo por Fortaleza.

DOSSIÊ

Comer barato em Paris

Gratinée. As brasseries - ao pé da letra, cervejarias - são grandes restaurantes informais, que atendem sem reserva. Uma das maiores pechinchas de Paris está na mais animada delas, o Pied do Cochon, que funciona 24 horas e é um templo do kitsch-chic. Foi aqui, do lado do antigo mercado de Les Halles (tragicamente demolido para virar um shopping), que nasceu a tradição de tomar sopa de cebola gratinada de madrugada. A gratinée custa apenas ? 6,90 (www.pieddecochon.com, 6 Rue Coquillère).

Chartier. Tradicional, quase folclórico, é point de turistas e estudantes que querem jantar pratos clássicos da cozinha francesa por preço de fast food (e qualidade, diga-se, só um pouquinho superior). A conta vai sendo anotada na toalha de papel (restaurant-chartier.com, 7 Rue du Faubourg Montmartre).

Étnicos. Siga aquela família de olhos puxados (vietnamita? laociana? cambojana?) e você vai comer bem e barato. Salte no metrô Belleville e suba a rua do mesmo nome.

Chez Omar. Um marroquino instalado num café belle époque no Marais. Já esteve mais na moda, mas continua servindo um excelente couscous royal para dois por ? 24 (47 Rue de Bretagne).

Butte aux Cailles. Neste trecho do 13e. arrondissement que testemunhou uma batalha durante a Comuna de Paris, os preços continuam socialistas. Entre na fila do Le Temps des Cerises - restaurante-cooperativa - e jante numa mesa comunitária (18 Rue de la Butte aux Cailles).

Les Cocottes. Bistrô-conceito do chef Christian Constant (dono do vizinho Violon d?Ingres, que já ostentou uma estrela no Michelin), patrocinado pelas panelas Staub. Aqui as entradas - como o fabuloso caranguejo com alface sucrine - são servidas em copos (a 9) e os pratos - como o confit de carneiro com batatas boulangère - em panelinhas (a 15). Há bons vinhos em taça a meros ? 3 (www.leviolondingres.com, 135 Rue St. Dominique).

Mais conteúdo sobre:
Viagemturista profissional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.