Rota medieval de Joana D?Arc

Siga os passos da santa guerreira por vilarejos históricos no interior do país

Steve Hendrix, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2008 | 02h50

A pequena vila de Domremy é uma jóia medieval encravada nos campos de Lorena, no leste da França, também conhecida por suas muralhas cinzas e seus telhados em tons de dourado. Ao vagar pela cidade, uma pergunta vem à mente: havia algo de errado com o nariz de Mark Twain, autor de Joana D?Arc? No livro, Twain não poupou a paisagem de Domremy, descrito como "um vilarejo miserável", "um labirinto de ruas estreitas". Mas manteve incompreensível silêncio sobre o forte cheiro de trigo, de terra molhada, de incenso. Nenhum outro perfume combina mais com a cidade onde nasceu Joana D?Arc, salvadora do país, heroína do escritor e nossa inspiração de viagem. Com minha filha de 12 anos, Isabel, que é fascinada pela história da santa, fiz um roteiro pelos lugares por onde passou a jovem que liderou um exército, derrotou os ingleses e planejou a coroação de um rei. O trajeto por uma França rural partiu de Domremy, passou pelo Vale do Loire, pela cidade de Orléans e terminou na Normandia. Bastou sair do aeroporto Charles de Gaulle, rumo a Domremy, para entrar no imutável mundo das províncias francesas. Quatro horas depois, parei o carro no estacionamento de uma igrejinha do século 14, ao lado de uma fazenda à beira do Rio Meuse: a casa onde a santa viveu na infância. A igreja onde ela foi batizada ainda funciona. A fazenda e o quintal estão intactos. Foi aqui que a adolescente começou a ouvir as vozes dos anjos. No outro dia, seguimos para o oeste - Isabel assumiu o papel de ler passagens do livro de Twain para nos manter no caminho histórico e literário. Passamos horas no Château de Blois, um fantástico castelo do século 14, no Vale do Loire. Nesse local, o rei Charles VII testou o poder de Joana D?Arc: se disfarçou no meio da corte, mas a guerreira o reconheceu na multidão. A santa ganhou o comando do exército e foi autorizada a atacar os ingleses em Orléans. A mansão em Blois foi construída em diferentes estilos, do gótico ao renascentista. Na visita, o turista pode testar os ecos do hall onde a jovem foi recebida pela nobreza. A próxima - e melhor - parada de Joana D?Arc, 64 quilômetros adiante, é Orléans. A estátua da guerreira domina a praça principal, a poucos quarteirões do local onde ela derrotou os ingleses, em 1429 - o fato ainda é comemorado nas ruas. Se Joana D?Arc é até hoje uma estrela em Orléans, ela é, no mínimo, um ídolo medieval em Reims, cidade romana para onde seguiu depois da batalha. Aqui, a estátua é menor, mas a localidade dedica um festival de verão que marca a coroação de Charles VII. Rouen, na Normandia, última parada da guerreira, é a mais turística das cidades do nosso roteiro. Fomos direto à famosa catedral gótica do século 12, na Praça do Mercado Velho - a igreja foi pintada por Monet cerca de 30 vezes. É um local animado, mas nos deixou em um clima algo depressivo: ali estão os restos da torre onde Joana D?Arc foi mantida prisioneira, o anexo da catedral onde os inquisidores debateram sobre seu destino e a elevada plataforma em cruz onde ela foi queimada, em 30 de maio de 1431. SERVIÇO DOMREMY Local de nascimento e museu de Joana D?Arc: Rue de la Basilique, tel.: (00--33-3) 2906-9586 BLOIS Château Royal de Blois: www.chateaudeblois.fr. A entrada custa 7,50 (R$21,72) ROUEN Mercado Velho: Place du Vieux Marché. O mercado é um memorial. Guarda a elevada cruz, símbolo da execução de Joana D?Arc Wax Museum: 33 Place du Vieux Marché; www.jeanne-darc.com. Em um porão medieval, o museu conta a história da santa em apresentação 3D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.