Ruazinhas lotadas de tons e sabores típicos

Grande Bazar, inaugurado em 1453, tem 4 mil lojas

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

10 Março 2009 | 01h49

Entre goles de café turco e chá de maçã acontece a barganha. São mais de 4 mil lojas espalhadas por 60 ruazinhas, num labirinto sem equivalente chamado Grande Bazar, em atividade desde 1453, lotado de artigos de ouro, cobre e couro. Há pashminas, tapetes, narguilés, joias, souvenirs e guloseimas típicas.

 

Variedade: pelor corredores, há de artigos de couro a joias

A primeira lição antes de abrir a carteira é negociar - com alguma sorte, em português. "Parte da minha família mora no Brasil", explica um vendedor. Esse tipo de coincidência não é rara no lugar.

 

Veja também:

linkDo muezim ao desejo de ser moderna

linkIstambul revela uma Europa de mesquitas e palácios

linkA preferida do líder Atatürk

linkCenário de ficção, Capadócia oculta vida subterrânea

linkÉfeso conta histórias de três povos

linkDias intensos à beira-mar na 'pérola do Egeu'

linkUm mergulho nas piscinas de Pamukkale

linkMarmaris e seu show de cores

Se já é difícil resistir a produtos para os quais você vai precisar encontrar espaço na mala, imagine dizer não a nozes, pistaches e doces que podem ser consumidos ali mesmo.

Uma curta caminhada leva ao Mercado de Especiarias. Explore sabores turcos e ouse comprar temperos que prometem dar um toque exótico ao arroz de todo dia.

Grande Bazar: Çarsikapi Caddesi, s/n.º

Mercado de Especiarias: Misir Çarsisi, s/n.º

 

A lendária Troia

 

O ponto de partida é Istambul e o destino é a cidade descrita por Homero na Ilíada. As ruínas da cidadela de Troia estão a 350 quilômetros da metrópole turca, em Bandirma. Um passeio que garante um dia cheio de histórias interessantes.

Os vestígios hoje abertos para visitação foram descobertos em 1822 pelo arqueólogo alemão Heinrich Schelieman. Até então, a cidade era considerada apenas uma lenda. Hoje, no sítio arqueológico é possível ver ruínas de nove cidades, uma construída sobre a outra.

 

Acredita-se que Troia I tenha sido habitada no início da Era do Bronze, por volta de 3000 a.C.. A descrita por Homero seria Troia VI (1800-1250 a.C.). Apesar do cenário ser real, não há provas da existência de Helena ou do cavalo de madeira cheio de soldados. Mesmo assim, há um imenso equino por lá. A entrada custa 5,50 euros (R$ 16). O passeio pode ser feito pela Package Tour (www.turkeypackagetour.com) a partir de Istambul.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Turquia mercado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.