Bruna Toni/Estadão
Bruna Toni/Estadão

Rum, jerk e outros sabores

Não são poucos os passeios que terminam com shots da bebida mais popular do Caribe

Bruna Toni, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2019 | 03h30

A hondurense Dália foi paciente ao preparar oito mudslides no capricho, com pausas para que tirássemos fotos e aprendêssemos os segredos do drinque mais refrescante e popular de Cayman. Trata-se de uma receita com irish cream, licor de café e vodca, com doses de gelo e uma cereja coroando o copo. Você pode tentar fazer em casa, só não terá o cenário caribenho que faz essa bebida ganhar sentido.

Foi no Rum Point, praia com restaurante, bares e espreguiçadeiras, que provamos o mudslide (10 dólares de Cayman; R$ 47). E também o jerk chicken ou jerk pork trazido pelos jamaicanos e cuja melhor definição é churrasco à moda caribenha. Sobre as chamas de uma churrasqueira, as carnes de porco ou frango são grelhadas para compor um colorido prato com arroz, repolho e milho. O que torna tudo especial é o molho apimentado sobre a carne – mesmo eu, apreciadora de pimentas, suei para comer (11 dólares de Cayman; R$ 51).

A entrada na área do Rum Point é gratuita e funciona como nos quiosques das praias brasileiras: você chega, ocupa uma mesa compartilhada, uma espreguiçadeira e um guarda-sol e, em troca, consome. Há também como alugar caiaque, prancha de stand up paddle e fechar passeios que levam para pontos de mergulho, como o que fizemos para Stingray City.

Compras e mais

Na parte mais urbana da Grand Cayman, às margens da baía, está Camana Bay, um centro comercial a céu aberto muito semelhante aos outlets norte-americanos. Além das lojas e dos espaços verdes, há vários restaurantes que valem a parada no almoço ou no jantar.

Para ter uma experiência mais intensa, um bom caminho é o Flavour Tour. Como o nome entrega, trata-se de um tour de sabores: acompanhado de uma guia, você é levado a cinco restaurantes/bares do Camana Bay numa só noite, podendo degustar três pratos e quatro drinques elaborados especialmente para o passeio. Há de entradinhas leves, como saladas e queijos, até massas com frutos do mar e opções da culinária japonesa. 

Entre as paradas, a que mais me chamou a atenção foi o West Indies Wine Company, um bar de vinhos no qual, com um cartão recarregável, você pode provar mais de 80 rótulos, entre brancos e tintos. O sistema funciona assim: você carrega seu cartão, insere numa das máquinas e opta pela quantidade que quer que caia dentro da sua taça – há doses a partir de US$ 3. O tour ocorre às quartas-feiras, a partir das 19h. Custa US$ 89 (R$ 340) por pessoa, com tudo incluído. 

Segredos do rum

Outro tour interessante é o de degustação de rum, a bebida alcoólica mais popular do Caribe. Na Cayman Spirits Co., maior produtora da bebida nas Ilhas, você pode tanto visitar a fábrica quanto aproveitar para tomar um (dois, três, quatro…) shots da bebida em suas variações – banana, abacaxi, café…

Nossa passagem pela destilaria foi acompanhada por Scott, que saiu de Trinidad e Tobago para morar em Cayman. Foi ele quem nos guiou por entre equipamentos da pequena fábrica onde é produzido o rum, mistura da fermentação do melaço e água. “E qual a diferença para a cachaça?”, perguntou uma colega. “A cachaça é o que não é o rum nem é a vodca, é o meio do caminho”, respondeu ele.

Descobri que o rum também tem seus segredos de envelhecimento e armazenamento, podendo repousar em barris de carvalho por meses – segundo Scott, alguns barris são postos no fundo do mar para, no chacoalhar das águas, absorverem mais da madeira em seu sabor final.

Por ano, a empresa produz 1,3 milhão de litros de rum, o que “não é muito, porque somos pequenos, mas é suficiente para nós”, explica Scott, enquanto nos serve shots. Além de rum, há produção de vodca e de Rum Cola. Na loja do “Santuário do Rum”, como eles dizem, estão à venda canecões em forma de barril, o tradicional bolo de rum, e, claro, garrafas da bebida (desde 30 dólares de Cayman; R$ 139). O tour leva de 30 a 40 minutos, com degustação livre no final; 15 dólares de Cayman (R$ 70).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.