Rumo à Sicília, em busca dos antepassados

Rumo à Sicília, em busca dos antepassados

MÔNICA NOBREGA, O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2014 | 02h07

Onde será que ficava e como teria sido a casa da nonna do nonno, tanto tempo atrás, lá na Itália natal? A curiosidade sobre as origens familiares que leva muitos dos 30 milhões de brasileiros descendentes de imigrantes italianos a embarcarem para o país europeu - ou a sonharem durante muito tempo com a viagem - levou a Sicília a criar um programa para tirar proveito turístico de tal interesse.

Batizada de "Retorno às origens", a iniciativa consiste em roteiros montados sob medida para que o viajante brasileiro descubra e visite as comunes (vilas ou cidades) onde nasceram e viveram seus antepassados. A pesquisa é feita pela Unione Nazionale Pro Loco d'Italia (Unpli), órgão ligado ao governo italiano que tem, entre suas funções, preservação, resgate e promoção do patrimônio.

A Unpli tem acesso aos registros de nascimentos de mais de 7 mil localidades por toda a Itália e não faz a pesquisa de antepassados desvinculada dos roteiros turísticos. Os pacotes serão vendidos pelas cinco operadoras que integram o Clube Itália Brasil (clubeitaliabrasil.com.br): Agaxtur, Flot, Monark, New Age e Soft Travel.

"É um tipo de turismo de volta", disse o presidente da Unpli Sicília, Antonino La Spina, durante o lançamento do projeto na 42ª Abav - Expo Internacional de Turismo (mais informações no texto ao lado), na semana passada, em São Paulo.

Formato básico. Em parceria com duas operadoras locais, a Unpli montou um roteiro básico de dez dias que será adaptado de acordo com o resultado da pesquisa de origens feita para o turista em questão - o preço vai depender da mesma variável. Catânia, Taormina, Agrigento, Palermo e Roma estão na rota. Dois dias serão dedicados à região natal da família - A Unpli promete até mesmo promover o encontro com parentes ainda vivos, se existirem.

"O turista brasileiro será recebido pelo prefeito da comune e ganhará um certificado de que seus antepassados nasceram ali", disse La Spina.

Ainda segundo o presidente da Unpli Sicília, o brasileiro precisa informar nomes e sobrenomes dos parentes italianos, a data e a região siciliana de nascimento. É possível pesquisar registros desde o começo do século 20. "Em alguns casos, até antes disso", disse La Spina. "Vai depender dos documentos disponíveis em cada comune."

Para os interessados em cidadania italiana, vale informar: por enquanto, a entidade não auxilia na busca dos documentos exigidos neste processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.