Sabores locais para degustar em um espaço com decoração incomum

Camisetas com recados escritos pelos próprios visitantes viram enfeites no bar Freedom in Paradise, em Ponta Sur

Renato Machado/COZUMEL,

25 Setembro 2010 | 07h00

 
 Em Florianópolis. Bilhetes adornam o Bar do Arantes

Um bar na praia de Ponta Sur, em Cozumel, pode despertar certo sentimento de familiaridade nos turistas brasileiros que já visitaram a comunidade Pântano do Sul, em Florianópolis. Assim como no tradicional Bar do Arantes, na praia catarinense, as paredes do Freedom in Paradise são decoradas com dezenas de recados.

 

Os bilhetes no restaurante em Floripa começaram a ser deixados ali nos anos de 1970, por estudantes que iam acampar nas ainda desertas praias dos arredores, para avisar aos amigos a localização de suas barracas. A diferença no Freedom in Paradise é que os recados não são deixados em papéis, mas em camisetas.

 

O costume começou em 1992 com o turista americano Charlie Johns. Para agradecer o bom atendimento e dizer o quanto sua família havia gostado da praia e da comida, ele tirou uma camiseta da mochila e escreveu sua mensagem.

 

"Meu pai ficou na dúvida se guardava a camiseta. Então, perguntou se Johns se importava que a peça fosse pendurada no bar. Hoje muitos visitantes deixam camisetas dizendo de onde vêm e o que acharam daqui", diz William Carrillo Chulim, de 32 anos, filho do fundador do Freedom in Paradise, em 1987.

 

A maioria das mensagens é de turistas dos Estados Unidos, que deixam camisetas das universidades que frequentam e dos times de basquete, beisebol e futebol americano para os quais torcem. Há também recados de franceses, ingleses, belgas, japoneses, australianos e latino-americanos - nenhum brasileiro, por enquanto. Dois deles foram deixados na parte de cima de um biquíni e em um sutiã. Chulim diz que o principal desafio é conservar as roupas, por causa da umidade.

 

Além da decoração, os clientes são atraídos pelos pratos servidos no bar. O camarão com coco e arroz sai por US$ 14. A quesadilla de camarão, US$ 9. Para beber, o drinque local é chamado iguana, com rum, suco de abacaxi, creme de coco, licor de melão e açúcar (US$ 5).

 

Na saída do bar em direção à praia, um aviso desperta a curiosidade. A placa informa que quem tirar uma foto de topless ganha uma tequila. "É brincadeira para mostrar a descontração do povo mexicano. Mas, às vezes, as mulheres fazem e vêm aqui cobrar a tequila. Aí temos de pagar", brinca Chulim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.