Saiba como fugir dos piores assentos de um voo

Saiba como fugir dos piores assentos de um voo

Cadeiras que não reclinam e próximas ao banheiros são o terror dos passageiros de avião - mas há como se livrar deles (ou ao menos tentar)

Christopher Elliott*, Washington Post

17 de janeiro de 2020 | 11h00

Pergunte a Clayton Conway sobre o pior assento de um avião e ele lhe falará de quando voou de Denver para Seattle pela Frontier Airlines. 

“Foi a pior experiência de voo que já tive”, diz Conway, que administra uma agência de marketing digital em Camano Island, Washington. “Eu estava sentado em um assento que separa uma classe da outra que não só não se reclinava, como também ficava ao lado de um banheiro. Portanto, cada visitante do banheiro levava inadvertidamente aquele odor até onde eu estava. Era horrível, e não tinha como fugir.” 

Mas qual é o pior assento em uma aeronave? Essa é uma pergunta difícil de responder com algum critério objetivo. Em um Boeing 737-800 da American Airlines, por exemplo, o site de classificação de assentos SeatGuru alerta sobre vários assentos “ruins”, indicados em vermelho. 

Eles incluem todos os assentos na fileira 30, na parte traseira da aeronave. Os motivos são óbvios: como os de Conway, os assentos na fileira 30 ficam ao lado dos banheiros e não se reclinam completamente.

 

Mas nem todos os assentos são igualmente ruins. Os do meio – 30B e 30E – são particularmente desconfortáveis. Você não consegue se reclinar, fica sujeito ao odor de um banheiro de companhia aérea e confinado dos dois lados por outros passageiros. É o pior que se pode conseguir. 

 

Se você está preocupado em não ficar em um assento como esse, mas não quer pagar por isso, vale a pena verificar várias fontes antes de fazer a reserva. Consulte os sites SeatGuru e SeatMaestro, ou converse com um agente de viagens. A seguir, uma pequena lista de recomendações para não cair em um desses lugares. 

Não compre a passagem mais barata

“Afaste-se do computador e da vontade de obter a tarifa mais baixa”, diz Jeff Klee, CEO da CheapAir. Em vez disso, ele diz, faça uma lista de itens obrigatórios ao escolher um voo.  

Você precisa de um assento designado? Janela ou corredor? Espaço extra para as pernas? Certifique-se que o voo que você reservou possui todos os seus itens essenciais. Claro, você terá que pagar extra. “Mas ficará feliz com sua viagem”, diz Klee. 

Não faça o check-in em cima da hora

 Como todo mundo já escolheu seus lugares, a chance de terminar em um assento péssimo é mais alta. Exceção: se você reservar um assento sem limitações na classe econômica ou na classe executiva, estará com sorte. A maioria das empresas reserva algumas cadeiras para grandes gastadores. 

Pesquise a companhia aérea 

Nem todas as companhias são iguais, diz Tim Leffel, autor de The World's Cheapest Destinations (Os destinos mais baratos do mundo, em tradução livre). As aéreas domésticas norte-americanas, como JetBlue e Southwest, fornecem mais espaço para as pernas. Já a mexicana Interjet é conhecida por não amontoar tantos assentos. 

 

Às vezes, é o caso de evitar uma companhia aérea inteira. A experiência de Conway é um exemplo disso. A Frontier Airlines – parte de um grupo de transportadoras de custo extremamente baixo que inclui a Allegiant Air e Spirit Airlines – não é conhecida pelo conforto ou pelas comodidades dos assentos. 

Seja educado 

Se você não conseguiu escolher uma boa cadeira, “não se vista mal, nem seja grosseiro, barulhento ou considere-se importante demais”, diz o passageiro frequente Matt Woodley, que escreve um blog sobre viagens internacionais. Os agentes de verificação de passagens podem e vão julgá-lo com base na sua aparência ou comportamento. E podem te ajudar a conseguir um lugar melhor. 

Vale a pena analisar por que as viagens aéreas de alguma forma se tornaram piores nos dias de hoje. O voo da minha família em uma companhia aérea romena da era comunista era, em muitos aspectos, menos degradante do que as viagens aéreas hoje. Ninguém exigia que pagássemos a mais para sentar um ao lado do outro. 

Os assentos, apesar de sua localização indesejável, vinham com uma quantidade humana de espaço para as pernas, mesmo na classe econômica. Os comissários de bordo serviam duas refeições e bebidas sem nenhum custo extra. 

As companhias aéreas usam nosso medo coletivo do pior lugar para nos levar a pagar mais por lugares com a mesma quantidade de espaço para as pernas que tivemos naquele voo do Tarom. Elas sabem que vamos gastar mais dinheiro para evitar os 30Bs pelo mundo, ou para não nos separarmos dos nossos filhos. 

Em resumo, nosso medo de ficar preso no pior lugar do avião é uma ferramenta poderosa para aumentar os lucros. Mas agora você sabe como evitá-la. / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

* Elliott advoga pelos direitos do consumidor, é jornalista e cofundador do grupo Travelers United.

Tudo o que sabemos sobre:
aviãoaviaçãoaeroportoeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.