Salvador: as novidades do Rio Vermelho

Com o melhor elenco de hotéis de Salvador e uma noite para lá de animada, o Rio Vermelho sempre foi a minha localização favorita em Salvador. Veja mais cinco motivos para se hospedar no bairro.

Ricardo Freire, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2015 | 02h07

A Casa do Rio Vermelho. Depois de décadas fechada, a casa onde viveram Jorge Amado e Zélia Gattai reabriu como um museu-memorial. O projeto de Gringo Cardia mantém a função original de alguns aposentos e transforma outros em salas temáticas - a mais interessante delas, um quiosque no jardim dedicado à relação de Jorge com o candomblé. Entre azulejos pintados por Carybé, um Exu de ferro plantado no jardim, objetos de arte popular e um casal de sombras fazendo amor no quarto principal, a visita é tão saborosa quanto um romance de Jorge. Fica na Rua Alagoinhas, 33; abre de terça a domingo, das 10h às 19h (ingressos a R$ 20; tel. 71-3333-1919).

Multiespaço Lálá. Um predinho estreito de quatro andares revive a aura alternativa do bairro. No térreo funciona um bar; no primeiro andar, um espaço de shows; no segundo, uma chapelaria; e, no quarto, o bar de vinhos La Cave de Jean - com uma gostosa varanda com vista para o mar. Rua da Paciência, 359; tel. 71-3013- 7997 (programação em facebook.com/lalamultiespaco).

A nova Ceasinha. Rebatizada como Mercado do Rio Vermelho, a antiga Ceasa da região foi totalmente repaginada e ganhou ares de megadelicatessen. Dê uma passada para comprar beijus, biscoitos e outros produtos baianos como souvenir, ou para almoçar no Boteco Marta Goes, com comidinhas de botequim com sotaque baiano, ou na Casa da Mãe Joana, de cozinha regional sem concessões (experimente a quiabada, que leva carne picadinha e camarões secos). Avenida Juracy Magalhães Jr., 1.624; abre das 7h às 18h (domingo até as 14h).

La Tapería. O bar de tapas mais disputado de Salvador cresceu e se mudou para um casarão um pouco adiante do original. Para provar o polvo à galega ou o espetinho de tempurá de camarão sem esperar por uma hora, reserve. Rua da Paciência, 251; tel. 71-3334-6871.

Red River Café. Instalado desde 2013 em frente ao Mercado do Peixe, o bem montado espaço bomba especialmente nas noites do Alavontê, uma banda informal liderada pelos veteranos do axé Ricardo Chaves e Durval Lellys que se apresenta às terças-feiras. A temporada mais recente foi em janeiro; fique de olho no site. Largo da Mariquita, tel. 71-3023-4655; redrivercafessa.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.