Santiago mostra o melhor e o pior

A ex-capital do país mescla memórias de um tempo glorioso, belas atrações e uma difícil realidade

Mônica Nóbrega, O Estado de S.Paulo

24 Março 2009 | 02h37

Das torres do Castillo San Pedro del Morro tem-se a vista mais bela de dois ícones da geografia cubana. Ao sul está o Mar do Caribe, cujas ondas batem na base da colina sobre a qual fica a fortaleza. Ao norte, a lendária Sierra Maestra estende-se por uma linha que se confunde com a do horizonte.

 

Verde como música: sempre há apresentações em suas praças

Localizado a 10 quilômetros de Santiago de Cuba, o preservado castelo do século 17 serve como síntese das contradições essenciais da cidade, a segunda maior do país, a 860 quilômetros de Havana, 14 horas de viagem de ônibus. Não muito longe, fumaça de chaminés de fábricas suja a atmosfera. Santiago é assim: linda e poluída, histórica e cheia de dilemas bem atuais, colorida e cinzenta.

 

Veja também:

linkNinguém fica indiferente a esta ilha

linkAlegre e musical, Havana é para ser vivida a seu tempo

linkFique atento às abordagens criativas

linkDa revolução à arte nos museus

linkBoas areias e corais no leste

linkEndereços favoritos de Hemingway

linkFesteje, você está em Trinidad

linkBaracoa. Sinta-se em casa

linkHospitalidade e quietude de uma natureza quase intocada

Aqui sente-se no ar um quê de metrópole mais evidente até do que em Havana. Compacta, a cidade distingue menos áreas turísticas daquelas que todo destino prefere esconder. Seus moradores se movimentam entre os pontos de ônibus e os armazéns de distribuição de alimentos - a comida é racionada e os cubanos só podem comprá-la com cupons dados pelo governo. Eles, aliás, detestam ver uma máquina fotográfica por perto quando estão nessas filas.

A cidade fundada pelo conquistador Diego Velásquez foi capital do país durante 31 anos, no século 16. Perdeu o posto para Havana, mas não a relevância histórica. Antonio Maceo, comandante da independência cubana, nasceu lá. Fidel Castro, então estudante, lançou ali os fundamentos de sua nascente revolução e a família Bacardi, primeira fabricante de rum do país, era santiaguense.

Memórias desse passado estão distribuídas pelas Ruas Heredia e Enramada e nas vielas transversais. O Museu Bacardi, o mais antigo de Cuba, tem acervo militar, arqueológico e de artes plásticas, com pinturas cubanas dos séculos 19 e 20.

A ex-capital é a cidade mais musical de Cuba, verdadeiro celeiro de talentos. Basta dizer que Ibrahim Ferrer e Compay Segundo, do Buena Vista Social Club, foram revelados em seus palcos. Nem é preciso andar muito para descobrir lugares como a Casa da Trova, onde há sempre um grupo disposto a executar números para os visitantes. Ou o Museu do Carnaval, em homenagem à festa mais popular de Cuba, que, no calendário deles, cai em julho.

O cheiro de café acompanha a caminhada. A província de Santiago de Cuba é a principal produtora do grão no país e prepara o melhor cafezinho cubano. Nas mesas de madeira maciça do La Isabelica, tente escolher entre as 103 opções do menu. Uma ajudinha: a versão energética, com café, rum e mel, é incendiária. Por 3 pesos conversíveis (R$ 7,50), garante aporte de energia imediato.

linkCastillo San Pedro del Morro: Carretera del Morro; 5 pesos conversíveis (R$ 12)

linkCasa da Trova: Calle Heredia, 208

linkMuseu do Carnaval: Calle Heredia, 303

linkLa Isabelica: Plaza Dolores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.