PMCG
PMCG

São João 2020 de Campina Grande será em outubro

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Festa junina na Paraíba é adiada por causa do coronavírus. Empresa organizadora não teria tempo de captar patrocínio para o evento em junho

Nathalia Molina, especial para o Estado

24 de março de 2020 | 21h42

O São João 2020 de Campina Grande foi adiado para o período entre 9 de outubro e 8 de novembro, por causa do coronavírus. Prefeitura e organizadores decidiram remarcar o evento, em vez de esperar para avaliar a situação em uma data mais próxima. Como desde 2017 a festa junina da cidade na Paraíba é feita por meio de uma parceria público-privada (PPP), a empresa organizadora não teria tempo suficiente para captar patrocínio para a realização, ainda que o isolamento em casa não seja mais uma recomendação nacional.

A 37ª edição do São João de Campina Grande será realizada de 9 de outubro a 8 de novembro – prevista inicialmente para o período entre 5 de junho e 5 de julho. “Definimos essa data porque setembro já tem o agendamento de muitos eventos que foram transferidos, como a Paixão de Cristo”, conta Rosália Lucas, secretária de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Campina Grande. A tradicional encenação da Páscoa em Nova Jerusalém, em Pernambuco, foi remarcada para o período de 2 a 7 de setembro.

Outra razão é aproveitar o feriado nacional de 12 de outubro, embalado por um festejo local. “Um dos grandes motivos para escolher essa data é para celebrar o aniversário da cidade, em 11 de outubro. E, no fim de semana de abertura do São João, será um feriadão, para já atrair o turista a passar em Campina Grande no São João”, diz Rosália. “Acreditamos que será um oxigênio para nossa economia, para o comércio, para encerrarmos o ano com maior equilíbrio para que as empresas possam entrar no fim do ano, no mês de dezembro, em uma retomada.”

Sem tempo para a organização

Por que não esperar até uma data mais próxima a junho para reavaliar a situação? “Desde 2017, o São João de Campina Grande tem um formato diferente de Caruaru (PE), de Petrolina (PE), de Mossoró (RN), dos municípios aqui próximos, porque é um São João que é uma PPP (parceria público-privada)”, explica a secretária. “A empresa recebe uma cota de patrocínio da prefeitura, que é R$ 1,820 milhão. No mais, 80% do valor é de patrocínio. Para o mês de junho, com esse clima (com o coronavírus), o patrocínio acabou caindo. Teria de ter um tempo hábil para isso.”

De acordo com a secretária, em 2016, o investimento público era em torno de R$ 10 milhões. No ano seguinte, a prefeitura deixou de organizar a festa junina e o evento passou a ser uma PPP. “É feita uma licitação. A empresa contratada, a Medow Promo, tem de seguir o edital. Monta toda a estrutura, das barracas, do setor comercial. Contrata todos os shows e cuida da decoração da cidade.”

Evento importante para a cidade

A festa junina é um evento tradicional na Paraíba. Em 2019, injetou R$ 299 milhões na economia de Campina Grande e registrou a entrada de 1,8 milhão de visitantes no Parque do Povo, espaço que concentra as atrações do São João. Pela cidade, ao longo do um mês de evento, circulam em torno de 2,5 milhões de pessoas todo ano.

“Temos de reinventar o São João com criatividade. Não poderíamos cancelar um evento tão importante economicamente.” Neste processo que estamos passando em todo o Brasil e no mundo. Os empresários, principalmente no setor de turismo, hotelaria, restaurantes, têm perdas incalculáveis, de desemprego, um impacto de muita preocupação na nossa economia, o São João é muito importante.

Outras festas juninas no Nordeste

Caruaru, em Pernambuco, ainda está com seu São João com data indefinida. O festejo em Mossoró, no Rio Grande do Norte, foi cancelado, assim como as festas juninas nas principais cidades da Bahia, embora se estude a possibilidade de realizar o evento em dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.