Se perder entre torres e vielas, o melhor programa de Regensburg

Munique é a capital da Baviera, mas até metade do século 13 o posto era ocupado por Regensburg. A pequena cidade, hoje com 150 mil habitantes, tinha uma forte economia na época, resultado do comércio com importantes pontos da Europa, como Paris e Veneza. A navegação pela Alemanha havia começado no fim do dia anterior, quando o barco atracou em Passau - com visita guiada para os passageiros que não foram a Salzburgo. Nessa dobrinha do mapa alemão, o Danúbio se encontra com os rios Inn e Ilz. O apertado pedaço de terra desenhado pela água é tomado por casinhas, vielas e igrejas barrocas.

REGENSBURG, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2012 | 03h09

Torres e ruas estreitas também me esperavam em Regensburg. Atracamos no início da tarde. Logo dei de cara com a Porta Praetoria, o portão do assentamento romano de Casta Regina, como o lugar se chamava então. Datada de 179 d.C., é a mais antiga construção de pedra do país. Regensburg guarda bem seu passado. Da Idade Média, permanece o Schottenportal, porta do século 12 em estilo românico, visto na Jakobskirche, igreja do centro antigo.

Por causa da preservação autêntica de sua arquitetura, a cidade entrou para a lista de Patrimônio da Unesco em 2006. Tudo isso está no moderno Centro de Visitantes inaugurado há um ano no lugar de um celeiro de sal do século 17, perto da Ponte de Pedra (Steinerne Brücke). Com dois andares, ele usa tecnologia para mostrar a história da cidade.

Interatividade é bacana, melhor ainda se for ao vivo. E Regensburg é perfeita para se jogar nas vielas, perder a noção de direção e de repente sentir o caminho se abrir numa de suas muitas praças. Foi assim que vi o Dom St. Peter, catedral gótica erguida entre os séculos 12 e 17. As altas torres apareceram diante de mim assim que atravessei uma apertada travessa. Algumas ruas mais e lá estava novamente a Ponte de Pedra, do século 12. Com 16 arcos sobre o Danúbio, ela está próxima da Histórica Cozinha de Salsichas (Historische Wurstkuchl), taverna com 900 anos.

Entrei na Galeria Kaufhof, loja de departamento, buscando possíveis presentinhos. No subsolo, funciona um supermercado. Comprei a süsser senf, mostarda doce da Baviera, para dar à família. Pelo visto, a gerente do cruzeiro teve a mesma ideia. Quando voltei à cabine, um vidrinho de Händlmaier's me esperava na porta. Tive certeza de que havia comprado a marca certa. /N.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.