PUBLICIDADE

Semanas de moda estão entre eventos preferidos pelos turistas

Em São Paulo, estima-se que 100 mil pessoas assistam às performances da SPFW; desses, 38% são visitantes

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2008 | 03h02

Beldades internacionais esguias e de pernas longas devidamente vestidas e produzidas de forma impecável. Se as semanas de moda do mundo fossem apenas isso, já atrairiam visitantes, jornalistas ou simplesmente curiosos de todas as partes. Mas os principais eventos fashion são muito mais do que um mero vaivém de top models. As cidades que recebem os desfiles garantem ocupação nos hotéis, novos empregos e (muitos) turistas.     Veja também: Desfiles em corredores cinco-estrelas Parecem vitrines. Mas são hotéis Inspiração em falésias, dunas e ladeiras   Nesse badalado calendário da moda, que elege como foco cidades como Paris e Milão, o Brasil conseguiu se firmar com dois importantes eventos: a São Paulo Fashion Week (www.spfw.com.br), cuja 24ª edição começa amanhã - e vai até dia 21 -, e o Fashion Rio, que terminou sua 12ª semana no sábado. As duas apresentam o crème de la crème da moda brasileira e lançam tendências - e novas modelos - para todo o mundo.E os números tupiniquins, sobretudo os de São Paulo, não deixam a desejar. A bateria de desfiles na capital paulista já é considerada o terceiro maior evento da cidade, atrás somente da Fórmula 1 e da Parada Gay. "Aproximadamente 100 mil pessoas assistem aos desfiles. Estimamos que 38% são de fora de São Paulo ou do Brasil", afirma Caio Luiz de Carvalho, presidente da SPTuris. Quem já esteve na semana de moda paulistana consegue visualizar esses números. A Bienal, no Parque do Ibirapuera, ganha momentos de puro glamour. E mesmo quem não tem convite para assistir aos desfiles vai ao pavilhão para ver a movimentação de gente bonita ou para tentar entrar em um dos muitos lounges patrocinados que servem como grandes áreas vips. Os jornalistas e, principalmente, os compradores que chegam à capital paulistana são tratados com regalias. Afinal, eles são vistos pelos empresários como os "turistas perfeitos". "Em média, os brasileiros deixam R$ 300 por dia, fora a hospedagem, e os estrangeiros, R$ 600", explica Carvalho. Espera-se que a Fashion Week deste semestre renda à capital cerca de R$ 85 milhões. Neste ano, por causa da proximidade com o carnaval, a expectativa é ainda maior. Há um esforço especial para segurar o turista na cidade até o fim de semana. "As agências e os hotéis estão oferecendo descontos. Quem ficar, não vai se arrepender", diz Carvalho. Para a próxima temporada, no início do segundo semestre, a SPTuris também pretende tornar as relações com o evento ainda mais estreitas. Está prevista para esta semana a publicação, no Diário Oficial da Cidade de São Paulo, de um decreto que finalmente transformou a Fashion Week em um evento do calendário oficial. Outra ação será uma possível parceria para promover o centenário da imigração japonesa. "O evento dá a São Paulo uma imagem positiva de modernidade", diz o presidente da SPTuris.Olhos na topGisele Bündchen já adotou as passarelas cariocas. No Brasil, só desfila no Rio. Mais por conta das aparições da modelo do que pela inovação nas coleções, a semana de moda carioca ganhou mais visibilidade. "Já podemos notar que o evento é extremamente positivo. Mostra que a cidade está vivendo um bom momento", afirma Rubem Medina, secretário municipal de Turismo do Rio.No entanto, o Fashion Rio ainda não conta com um incentivo oficial dos governos municipal e estadual. "Só conseguimos parcerias com hotéis e companhias aéreas", diz Eloysa Simão, idealizadora e organizadora do evento. "Mesmo assim, atraímos cerca de 80 mil pessoas, o que não é pouco."Pelo mundoEnquanto no Brasil os fashionistas buscam elevar o nível dos desfiles a cada edição, Milão e Paris continuam reinando como mecas da moda. Na cidade italiana, por exemplo, além dos desfiles ao longo do ano, há diversas sedes de grifes, showrooms e lojas-conceito. Tudo transpira moda e essa aura fashion da cidade é muito bem explorada turisticamente.Segundo pesquisa feita pela Universidade de Bocconi, a pedido da Câmara Nacional de Moda Italiana - que organiza os desfiles -, atualmente Milão se preocupa mais em divulgar todas as atrações relacionadas à moda do que somente os desfiles. Neste ano, a temporada de lançamentos das coleções começa em 16 de fevereiro. Mais informações: www.cameramoda.it.Em Paris, as opções de lojas e desfiles são ainda mais desnorteantes. Afinal, as grifes francesas sempre figuram entre as melhores do mundo. Por isso mesmo, somente o staff da semana de moda parisiense é composto por 5 mil profissionais. A temporada fashion começa na próxima segunda-feira, dia 21. Mais informações: www.modeaparis.com. Um look, um destinoPortugal - "As nossas coleções têm tudo a ver com Portugal. Já no Brasil, com o centro antigo do Rio", Amir Slama, estilista da Rosa Chá Berlim - "Minha coleção street wear, bem jovem, combinaria muito bem com a capital alemã", Igor de Barros, estilista da V.RomSão Paulo - "Minha cidade sempre foi uma fonte de inspiração, além de tema do meu desfile retrasado", Lorenzo Merlino

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo Fashion Weekmodaturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

PUBLICIDADE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.