Sentidos em festa nas feiras de Natal

Tradicionais no país, mercados celebram a data com luzes, sabores e aromas em Berlim, Dresden, Munique...

Humberto Maia Junior, O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2008 | 01h02

De longe, pode-se avistar as luzes amarelas dos postes e das barracas de madeira. Faz frio, o suficiente para que qualquer sopro ganhe densidade de fumaça. De perto, um cheiro gostoso no ar, que mais tarde você descobre ser de glühwein, vinho quente com especiarias. A praça está lotada. Todos protegidos com sobretudos, casacos e jaquetas. E sorriem. Comem, bebem e se divertem. Bem-vindo ao weihnachtsmarkt, a feira de Natal da Alemanha. A partir do fim de novembro, quando os dias são curtos e a noite chega às 17 horas, quase todas as cidades do país se iluminam com os mercados em comemoração ao Natal. Alguns, menores, nas ruas; outros, enormes, em praças ou parques. É um evento típico alemão, que data de alguns séculos atrás, semelhante à nossa festa junina - com mais frio, decoração caprichada e tema natalino. Se não bastasse a beleza das próprias feiras, a localização é sempre das mais interessantes. Muitas ficam ao lado de prédios históricos e de cartões-postais da cidade. O mercado natalino mais importante de Frankfurt está entre as casas de madeira do centro antigo, em Römerberg; em Berlim, uma das 55 feiras fica na Gendarmenmarkt, a praça mais bonita, que tem a Catedral Francesa e a Sala de Concertos ao redor. Em Colônia, as barracas são montadas ao lado da imponente catedral de estilo neogótico. As áreas na frente dos prédios das antigas prefeituras - as Altes Rathaus - são o endereço da festa em Munique e Hamburgo. ESPECIALIDADES Ainda que todas celebrem o Natal, cada feira tem sua característica, que varia conforme a tradição e os costumes locais. Algumas são muito fortes em artesanato. Outras, em brinquedos ou comidas típicas. Em Dresden, por exemplo, a Feira Medieval conta com barracas bem ao estilo da época, vendendo peças de decoração feitas de madeira e roupas típicas - os preços variam de 30 (R$ 101,25) a mais de 100 (R$ 337,50). Fantasiados de monges, vendedores servem carne de porco assada aos visitantes. Na cidade fica o mercado mais antigo da Alemanha, o Striezelmarkt, que funciona desde 1434. O centro das atenções é a maior pirâmide de Natal do mundo. Com 14 metros, homenageia os mineradores. Um dos mercados mais bonitos fica na frente do Palácio de Charlottenburg, em Berlim. À noite, o lugar ganha luzes roxas e vermelhas. Em frente à imponente construção barroca, 50 árvores de Natal enfeitam o ambiente ricamente decorado com barracas de madeira. Para reforçar ainda mais o clima natalino, uma rena transporta crianças em um trenó. ESQUEÇA A DIETA Os mercados de Natal da Alemanha são uma experiência para os sentidos. As luzes decorativas, os carrosséis coloridos, os enfeites e os tradicionais räuchermännchen - bonecos de madeira que servem como porta-incensos - enfileirados em prateleiras enchem os olhos. As barracas de artesanato evidenciam o capricho alemão. Tudo, da confecção à exposição dos artigos, é feito com esmero. Aromas de castanhas, nozes e batatas assadas, de carnes e de stollens (bolos tradicionais como o panetone italiano) provocam o olfato. São várias as opções de salsichões: bockwürst (de vitela), bratwürst (de porco), currywürst (com curry), wienerwürst (de Viena)... Para beber, o tal glühwein, muito bom para aquecer. À distância, essa mistura de cheiros dá água na boca. De perto, é ótima para o paladar. Embora pouco saudáveis, os quitutes valem como uma refeição. Comece com os pães, siga para as carnes e termine com os doces. Vale esquecer dietas e controle de colesterol e de triglicérides. E ser feliz. É Natal. Viagem a convite do Centro de Turismo Alemão, da The Leading Hotels of The World e da TAM

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.