Switzerland Tourism/Divulgação
Switzerland Tourism/Divulgação

Separadas por um istmo, Thun e Brienz mudam de tonalidade de acordo com a época do ano

Lagos suíços guardam, em suas margens, povoados charmosos, castelos e reservas naturais

Olívia Fraga, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2012 | 21h40

INTERLAKEN - Não fossem as montanhas, os lagos seriam o encantamento maior da região de Interlaken. De cores intensas e resplandecentes em dia de sol forte, os lagos Thun e Brienz são separados por um istmo e dividem a cidade. Ambos originam-se da nascente Aare, cravada no meio dos Alpes.

 

Thun tem águas de um azul-cinzento marcante, resultado da deposição de magnésio, e é navegável por quase o ano todo. Uma leve brisa sopra na superfície, vinda das colinas geladas que o cercam, em Niederhorn e Beatenberg. Com extensão de 21 quilômetros, transporta turistas embasbacados a campos de golfe, marinas para prática de esqui aquático, piscinas naturais, windsurfe e iatismo, além de atracar nas comunas de Oberhofen, Hilterfingen e Thun, típica cidadezinha suíça com castelos medievais (como Hünegg e Spiez), reservas naturais para passeios e trilhas, restaurantes. Pensar que Berna, a capital do país, está a pouco menos de 30 quilômetros de distância, valida ainda mais a escapada.

A origem das águas é a mesma, mas a deposição de gelo glacial no fundo do lago Brienz modifica sua cor ao longo do dia e do ano. Há quem o conhece azul-turquesa; os que passam por ali no verão, no entanto, têm o privilégio de vê-lo vestido de verde-esmeralda. O gelo submerso o torna impraticável para mergulho, pesca ou natação (a temperatura não ultrapassa os 13 graus), mas esqui aquático não está descartado. Ademais, não passar por ele priva o viajante de conhecer um recorte inesquecível da Oberland.

Do outro lado. Cravado entre geleiras, no lado oposto ao Thun, Brienz serve de via de acesso a vilarejos que, até o início do século 20, eram reduto dos endinheirados, como Giessbach. Para chegar lá, é preciso desembarcar na estação Giessbach See e tomar o íngreme funicular, que percorre 350 metros na vertical - um desafio à gravidade.

Construído em 1879, é o mais antigo da Suíça ainda em atividade e oferece uma vista espetacular: lá embaixo, vão aparecendo os lagos Brienz e Thun; ao lado, o barulho da cachoeira e do riacho Faulhorn. No topo, a maciça presença do Hotel Giessbach (giessbach.ch), construído em 1873 e circundado por jardins e bosques. Fechado durante o inverno, sua temporada começa dia 20.

 

Prefere um passeio verdejante e mais citadino (também mais barato)? Entre um lago e outro, os vilarejos de Wilderswil e Gsteigwiler, na colina de Schynige Platte, são repletos de trilhas para caminhadas leves - prepare-se para levar para casa fotos dignas de um profissional.

Outro bom ponto de partida para caminhadas é Harder Kulm (jungfrau.ch), de onde se tem a visão total de Interlaken. Para subir até o mirante, 1.322 metros acima do nível domar, o funicular leva apenas oito minutos. Fique atento: ele funciona apenas entre abril (este ano, a partir do dia 21) e outubro.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Suíça Harder Kulm Interlaken

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.