Aryane Carraro/Estadão
Aryane Carraro/Estadão

Sete dias na Itália, antes de um cruzeiro

Envie sua pergunta para viagem.estado@estadao.com

Ricardo Freire, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2017 | 03h00

Vamos comemorar nossos 57 anos de casamento com um cruzeiro pela Croácia, saindo de Veneza. Mas chegaremos à Itália uma semana antes. Nosso voo é para Bolonha. Já conhecemos Veneza, Pisa e Pádua. Queremos ir um dia a Rovigo, terra natal de minha avó. O que você sugere para esses dias? (Célia, São Paulo)

O formidável da Itália é que, se você fechar os olhos e pousar o dedo no mapa, seja o lugar que for, sempre haverá lugares excepcionais para ver nos arredores.

Já que o acaso traz vocês a Bolonha, aproveitem para experimentar essa cidade injustamente subestimada, que costuma estar fora do itinerário básico italiano. A Cidade Vermelha (uma alusão tanto à cor ocre de suas construções quanto ao fato de ter um histórico de simpatia pelo comunismo) é original, vibrante e permite visitar algumas cidades-tesouro da Emilia-Romagna em modo bate-volta. 

Dá para ficar quatro noites em Bolonha, aproveitando para fazer três passeios de dia inteiro. O primeiro, a Ferrara (30 minutos de trem), com seu centro histórico medieval perfeitamente preservado, o impressionante Castelo Estense e o exótico Palácio Diamante. O segundo passeio leva a Ravenna (1h30 de trem), onde a grande atração são os mosaicos bizantinos pintados no interior de cinco igrejas (e, de quebra, ainda dá para visitar o túmulo de Dante Alighieri). Reserve o terceiro dia para o passeio mais especial, à Rovigo dos seus antepassados, já em terras do Vêneto. De Bolonha são apenas 40 minutos de trem. À beira do canal Adigetto, Rovigo vai oferecer mais do que memórias familiares: a cidade conserva torres do século 10, palácios venezianos e uma bela coleção de arte na Accademia dei Concordi.

As últimas três noites podem ser passadas em Florença. A viagem de trem leva apenas 30 minutos. Separem dois dias para sorver a cidade com calma. Comprem o ingresso para a Galleria Uffizi e para a Accademia com antecedência, pela internet ( bit.ly/ticket-galeria) – ou então comprem o cartão fura-fila Firenze Card ao chegar. Entre o dia da chegada e o da partida, dá para fazer um passeio aos arredores. Como vocês já visitaram Pisa, podem ir de ônibus a Siena (1 hora) ou a San Gimignano (1 hora), ou se encaixar num tour pela estrada Chiantigiana, que passa pelos vinhedos que produzem Chianti e sempre incluem visita e almoço em alguma vinícola.

 De Florença a Veneza são 2 horas de trem. Para conseguir passagens promocionais nos trens rápidos (Bolonha-Florença e Florença-Veneza), comprem em trenitalia.com.

Mais conteúdo sobre:
Itália Europa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.