Bárbara Ferreira Santos
Bárbara Ferreira Santos

Shibuya

Vem de Tóquio a inspiração para os cruzamentos em X feitos nos últimos meses na cidade de São Paulo. Este tipo de travessia cruzada de pedestres é comum na capital do Japão; está no bairro de Shibuya o maior destes cruzamento na cidade e também no mundo. A cada três minutos, oito semáforos interrompem o tráfego de veículos para liberar o de pedestres. 

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

10 Março 2015 | 03h00

É um lugar que precisa ser visto também à noite. Isso porque os gigantescos outdoors de led veiculam mensagens publicitárias em alto volume, o que deu àquele ponto a fama de “Times Square de Tóquio”. Ao lado está a estátua de Hachiko, o cachorro da raça akita que ficava esperando seu dono na estação Shibuya mesmo quando o amigo humano já tinha morrido. A história virou filme em Hollywood com Richard Gere e, no Brasil, ganhou o título de Sempre ao Seu Lado

A rua Nonbei Yokocho, perto da estação de trem Shibuya e que tem sua entrada sinalizada por um varal de lanternas típicas, é conhecida como o “vale dos bêbados”, graças às fileiras de pequenos izacayás, bares tradicionais do Japão. Só nos maiores estabelecimentos você encontrará cabines para grupos grandes – em geral, os compartimentos são para quatro pessoas. Peça edamame, a vagem de soja, para acompanhar a cerveja. 

Chegue à estação Shibuya pelas linhas Asakusa, JR Yamanote, Gonza e Hanzomon.

Mais conteúdo sobre:
JapãoTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.