Sinta-se um velho amigo em Moçambique

Acusados localmente de sair do país da noite para o dia (em 1975) e deixar atrás de si um rastro de problemas sociais, os portugueses não são muito apreciados em Moçambique. Já nós, brasileiros, somos tratados como gente de casa – novelas e a seleção canarinho são assuntos recorrentes entre os moçambicanos.

07 Maio 2012 | 19h31

 

O país desperta aos poucos para o turismo. E tem, de fato, muito a oferecer, especialmente no quesito belezas naturais. Reservas ambientais são procuradas para os cobiçados safáris – inclusive o famoso Kruger Park, que começa na vizinha África do Sul e atravessa a fronteira.

 

O litoral tem 2,5 mil quilômetros entremeados por praias paradisíacas, boa parte delas desertas. Entre os trechos mais procurados estão Pemba (incluída há três anos na lista de baías mais bonitas do mundo), com arquitetura colonial; o arquipélago de Bazaruto, composto por cinco ilhas, das quais apenas duas são habitadas; e Inhambane, a 500 quilômetros da capital Maputo, que se destaca pela beleza da praia do Tofo.

 

Por falar em Maputo, vale lembrar que a capital é o ponto de partida para desbravar o país – é em seu aeroporto que desembarcam os visitantes estrangeiros (para brasileiros, a South African é a companhia aérea mais conveniente, com escala em Johannesburgo). Antes de seguir para o litoral, passe algumas horas por lá para ver as casinhas de arquitetura colonial portuguesa, o mercado de peixes e os carros velhíssimos no trânsito para lá de caótico. Clique aqui para mais informações / MÔNICA NÓBREGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.