Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Sobrevivendo à alta temporada

Só pode viajar nas épocas mais disputadas? Aqui vão algumas dicas para aproveitar sem se estressar

Adriana Moreira, O Estado de S. Paulo

27 Novembro 2018 | 03h00

Dezembro bate à porta trazendo com ele filas intermináveis, a ideia de que tudo é para ontem e a alta temporada em todo País. Aqui no Viagem sempre orientamos a evitar as épocas mais concorridas para, assim, viajar com menos muvuca e preços melhores. Mas a vida real funciona de maneira que, muitas vezes, só dá mesmo para viajar no janeiro dos voos lotados, no feriadão do trânsito quilométrico, no ano-novo dos preços estratosféricos. 

Para fazer uma frozen caipirinha gourmet com esse limão azedo, selecionei seis dicas que vai ajudá-lo a sobreviver a uma viagem nesta época do ano. Que a força esteja com você.

Quem cedo madruga. Pode ser que o problema seja o trânsito, pode ser a fila do raio X no aeroporto. Se normalmente você calcula uma hora de casa ao aeroporto, calcule duas. Não arrisque.

Fique zen. Sim, sabemos que vai ter fila para comprar pão no litoral. Que vai ter trânsito na Serra do Mar, que os voos estarão lotados, a água de coco na praia vai custar o dobro (ou triplo) do resto do ano. Se for para vociferar a cada contratempo, é melhor nem viajar (São Paulo fica uma delícia nessa época). Em vez de bufar, busque soluções prévias: confira os melhores horários para viajar no site (e no Twitter) das concessionárias, pense que o coco é a recompensa merecida para um ano de trabalho duro (e, para compensar, traga de casa um cooler com água, refrigerante e cerveja). Difícil mesmo é o pãozinho, mas sempre existe o pão de forma para quebrar o galho.

Planeje-se. Ok, já está em cima da hora, mas que tal colocar em sua lista de resoluções para 2019 o item “planejar minhas viagens com antecedência”? Se você só tem datas concorridas para viajar, tente comprar o pacote ou a passagem o quanto antes para conseguir preços melhores e parcelar a viagem em mais vezes. Quem se planeja consegue um hotel melhor com preço justo, cujas vagas esgotam rapidinho. Consegue aproveitar eventuais promoções das companhias aéreas. Consegue até descobrir cantinhos que não ficam tão muvucados nos feriadões. 

Prepare a trilha sonora e outros  passatempos. Vai passar horas no aeroporto ou na estrada? Prepare uma trilha sonora que ajude a manter o ânimo nas horas de espera. Vale também baixar filmes no tablet ou no celular, levar um livro, podcasts... Diversificar as opções é sempre uma boa ideia. Caso viaje com crianças, não esqueça de deixar separado um brinquedo, uma manta para eventuais sonecas e fazer download daquele desenho que elas nunca se cansam de assistir. Ah, importante: um power bank vai garantir que a bateria do celular sobreviva a isso tudo.

Petiscos são fundamentais. Vale para as crianças e para os adultos. Deixe à mão água (mas beba com moderação: lembre-se que o banheiro é a consequência direta da sede insaciável), biscoitos, chocolates ou, dependendo da viagem, até um lanchinho. Se houver trânsito, as paradas programadas vão demorar mais. Estar prevenido vai garantir que você alcance o propósito sugerido no início deste texto de se manter zen.

Pressa para quê, mesmo? Acabaram as obrigações: você está em férias, e sua única missão é curtir os dias livres. Deixe o senso de “estar sempre atrasado para alguma coisa” trancado dentro de casa e curta o caminho. Vai pegar a estrada? Aproveite o visual, pare nas casas de pamonha, desvie para aquela cidadezinha charmosa que você sempre quis conhecer. A viagem é de avião? Assim que ele aterrissar, adote um ritmo mais lento. Tenha em mente que você não precisa fazer todos os passeios do lugar – tudo bem curtir só o hotel alguns dias. Seja paciente com atendentes: pense que o excesso de movimento não faz parte da rotina deles e que a vida ali corre num ritmo mais devagar. Suas férias vão parecer mais longas – e você vai voltar para casa com a alma renovada.

*ESCREVA PARA VIAGEM.ESTADO@ESTADAO.COM.

Mais conteúdo sobre:
fériaspraia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.