Sonho hippie na base militar desativada Ribe mostra relíquias a céu aberto Nyhaun, o epicentro da boemia Duas torres e uma proposta sustentável Fortaleza escandinava contra a guerra Heranças do mestre do conto infantil

"Você está deixando a União Europeia", avisa a placa no portal de entrada do distrito de Christiania, em uma área de 34 mil metros quadrados no coração de Copenhague e declarada "autônoma" nos anos 1970, quando o terreno foi ocupado por uma comunidade hippie. O consumo de drogas na área, uma antiga instalação militar, era tolerado entre seus 850 moradores até 2004 - quando a polícia de Copenhague passou a fazer blitzes periódicas no local. Para visitar, lojas, cafés e casas desenhadas pelos moradores.

O Estado de S.Paulo

29 Maio 2012 | 03h12

Uma das cidades mais antigas do continente europeu, fundada por volta do ano 700 da era cristã, Ribe é um museu a céu aberto. Seus edifícios mais antigos estão muito bem conservados e arqueólogos fazem escavações na área em busca de mais relíquias históricas. Ribe foi um importante centro de poder durante o período da dominação viking, mas entrou em uma fase de decadência econômica quando o canal que cortava a cidade e dava aceso ao mar ficou assoreado, no final do século 18.

Nyhaun é a área boêmia de Copenhague, localizada no centro da cidade. Os vários bares e restaurantes da região, principalmente durante o verão, ficam lotado de jovens locais e turistas - apesar do alto preço das bebidas alcoólicas. Como na maior parte da Europa, a cerveja é normalmente servida na temperatura ambiente. O Nyhaun também é a principal entrada do canal que corta Copenhague e leva aos pontos mais interessantes da capital, como a Ópera e o Palácio Real.

Uma das novas maravilhas arquitetônicas da Escandinávia, as duas torres do Bella Sky Hotel foram inauguradas há dois anos com a proposta de aproveitar ao máximo a luz natural - preocupação essencial em um país onde, em algumas épocas do ano, o sol não brilha mais do que seis horas por dia - e economizar energia. Localizado ao lado do aeroporto de Copenhague e dono de sua própria estação de metrô, o hotel é também um centro de entretenimento que abriga um bom número spas, auditórios, bares e restaurantes.

Localizado na Ilha de Funen, na região de Odense, sul da Dinamarca, o Egeskov foi erguido em 1554 por um nobre que utilizou a fortificação para proteger-se da guerra civil que se seguiu à Reforma Protestante. É um dos mais típicos castelos medievais escandinavos. Hoje propriedade do conde Michael Ahlefeldt-Laurvig-Bille, o castelo abriga salas com grandes coleções de carros e motocicletas antigos e pequenos aviões das primeiras décadas do século 20, além de troféus de caça.

Além das bicicletas - milhões delas, por toda parte -, a Dinamarca tem outra paixão nacional: Hans Christian Andersen. O escritor de contos infantis que nasceu em 1805 e morreu em 1875 é uma espécie de Pelé dinamarquês. Seu rosto e as referências aos seus personagens estão espalhados pelo país de norte a sul.

A Pequena Sereia, o Soldadinho de Chumbo, o Patinho Feio e uma infinidade de personagens são inspirações para esculturas, pinturas e até grafites pelas ruas. Uma das maiores atrações turísticas da Dinamarca é a casa paupérrima em Odense, cidade a oeste da capital, onde ele passou a infância. Lá é possível ver artefatos originais do século 19 - talheres, panelas, pratos e moldes para a fabricação de sapatos que pertenceram ao pai dele.

Embora tivesse sido também dramaturgo, romancista, poeta, ator e bailarino, foram as obras para crianças que tornaram Andersen conhecido. Em Odense - cidade medieval que, por si, já merece uma visita -, um teatro ao ar livre exibe, diariamente e em várias sessões, suas histórias infantis.

A Dinamarca é um verdadeiro paraíso para crianças. Uma das principais atrações está em Copenhague, o Tivoli Park. Ninguém sabe se há verdade na história, mas os dinamarqueses gostam de contar que, antes de conceber a Disneylândia, Walt Disney esteve no Tivoli e ficou encantado com a beleza do lugar e a oportunidade de lucrar com a ideia de um parque de diversões.

O Tivoli está localizado numa área central da capital, muito arborizada, desde 1843. Embora muitos o considerem o primeiro parque de diversões da história, o pioneiro de fato foi o Bakken, também dinamarquês, de 1840. Com 4 milhões de visitantes por ano, tem grande parte de suas atrações inspirada em contos de Hans Christian Andersen.

Outra visita imperdível para crianças é a Legoland, localizada em Billund, no sul do país. Por lá, nada menos que 55 milhões de peças de Lego formam dezenas de réplicas de cidades do mundo inteiro. Sem falar nos cenários dos contos de... ele mesmo, Hans Christian Andersen.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.