Subida ao vulcão que destruiu a 'pequena Pompeia'

Seja pelo interesse histórico, pela curiosidade geográfica ou a chance de observar belas paisagens naturais, a subida ao Monte Pelée é um dos passeios mais procurados na Martinica. A caminhada até o alto dos 1.397 metros é puxada - algum preparo físico ajuda - e leva entre 2 e 3 horas para ser concluída.

O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2011 | 03h08

Comece escolhendo um dia claro e com previsão de tempo firme, para reduzir a chance de ser surpreendido por uma precipitação, que surge de repente, encobre a bela vista e ainda pode tornar o caminho escorregadio. Em compensação, o trajeto é muito bem sinalizado. Com calma, você chega lá no alto, vê parte da cratera e observa o Mar do Caribe. Todos os anos, milhares de pessoas escalam as três faces da montanha, que é monitorada para verificar atividades sísmicas.

O Monte Pelée foi responsável pela maior tragédia envolvendo um vulcão no século 20. Em 8 de maio de 1902, uma violenta erupção soterrou, em poucos minutos, a cidade de Saint-Pierre, então capital econômica. Cerca de 30 mil pessoas morreram e o local ficou conhecido como "pequena Pompeia". Louis-Auguste Cyparis, que havia sido preso em um calabouço subterrâneo por vadiagem, foi um dos dois únicos sobreviventes. A cela que o protegeu dos gases tóxicos está aberta a visitas. / P.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.