Reuters
Reuters

Sudeste Asiático

Mais perto e mais barato

Mônica Nóbrega, O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2014 | 03h00

Em 2015, o Sudeste Asiático deve entrar no radar dos brasileiros não só pela beleza das paisagens e das construções milenares, pelas cores, templos, pela cultura particular e a caudalosa e picante gastronomia. A região deve atrair mais turistas também pelo que não tem: preços do dia a dia em dólares. Com a moeda americana há meses ao redor de R$ 2,50, o quarteto formado por Tailândia, Camboja, Laos e Vietnã, roteiro básico vendido pelas operadoras no Brasil, pode representar uma opção de férias abordável. 

Na Tailândia, por exemplo, uma porção do prato típico pad thai custa, em média, R$ 4. Em Ho Chi Minh, no Vietnã, é possível dormir em um hostel por cerca de R$ 30 por noite. “Com a alta do dólar, o Sudeste Asiático voltará a ser um dos destinos internacionais mais atraentes”, avalia Ricardo Freire, colunista do Viagem.

Embora não seja rápido, chegar lá, hoje, é bem fácil. As empresas que têm seus hubs no Oriente Médio, como Emirates, Etihad e Qatar Airways, e ainda a Turkish, são as opções mais convenientes, com passagens de ida e volta a partir de US$ 1.250 – para viajantes independentes, esta será a parte mais cara da viagem. Na CVC (cvc.com.br), o pacote de 14 noites com aéreo, hospedagem e 12 refeições custa desde US$ 3.973, em abril. A Raidho (raidho.com.br), que leva brasileiros à região desde 1990, tem roteiro de perfil mais exclusivo, de 16 noites, desde US$ 4.880 por pessoa, sem aéreo. 

Importante é prestar atenção à época do ano para escapar das monções, de maio a outubro. Agora, e por quase todo o primeiro semestre, o tempo é mais seco. E o calor dura o ano todo. 

Na Tailândia (tourismthailand.org), um dos dez países que mais recebem turistas no mundo (26 milhões por ano), o roteiro para uma primeira visita pede um tempo na capital Bangcoc; Phuket, mais ao sul; as paradisíacas ilhas Phi Phi, cuja fama veio há quase 15 anos graças a Leonardo DiCaprio e o filme A Praia (2000); ao norte, Chiang Mai é a segunda maior cidade do país.

No Laos (tourismlaos.org), Luang Prabang, cidade mais bonita do país, é o principal alvo dos visitantes. Recortado pelo Rio Mekong, o centro histórico tem mais de 30 templos entre prédios herdados da colonização francesa.

A “baía dos dragões”, Halong Bay, com suas rochas agudas fincadas no mar, é o cenário mais famoso do Vietnã (vietnamtourism.com). Ao norte está Hanói e, mais ao sul, Ho Chi Minh; entre as duas, a cidade colonial de Hoi An merece uma espiada. Os internautas que votaram no Traveler’s Choice Destinos em Alta, da comunidade TripAdvisor, sugerem ainda Da Nang. “Tem praias tranquilas, excursões culinárias e santuários budistas”, diz Renan Rubert, porta-voz do site e um dos jurados. As Marble Mountains são um conjunto de cinco elevações de mármore e calcário de visual memorável. 

Ao Camboja (tourismcambodia.org), vai-se para ver o conjunto de templos Angkor Wat, em Siem Reap, considerado o maior complexo religioso do mundo. Estique até a litorânea Sihanoukville, no Golfo da Tailândia. “É espetacular para mergulho e snorkel”, diz Rubert, do TripAdvisor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.