Adriana Moreira/Estadão
Adriana Moreira/Estadão

Tallin

Charme medieval

Adriana Moreira, O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2014 | 03h00

O Euro virou a moeda oficial da Estônia há apenas três anos. E o país, que começava a entrar na rota dos turistas europeus, despontou de vez, graças aos preços baixos em comparação a destinos próximos e à beleza de sua capital. Tallin esbanja charme, com sua muralha medieval cercando o centro velho, um Patrimônio da Unesco com construções preservadas do século 14, comércio tradicional e restaurantes temáticos da Idade Média. 

“A cidade é um encantador emaranhado de ruas e pináculos medievais, encostada no mar Báltico. Pequena, com áreas turísticas seguras e fáceis de serem exploradas a pé”, diz Renan Rubert, porta-voz do site TripAdvisor no Brasil.

Fora da muralha, o distrito de Kalamaja guarda a nova cena artística e noturna da cidade, com bares, restaurantes e ateliês onde funcionavam fábricas na época em que o país era dominado pela União Soviética. Aliás, não deixe de visitar o Museu da KGB, no Hotel Viru. As histórias ali são mais interessantes que o acervo propriamente dito. No 23º andar, existia uma base da KGB, que foi abandonada às pressas quando os russos perderam os domínios da Estônia, em 1990. O hotel, frequentado por celebridades e políticos, era cheio de escutas e mecanismos dignos de filmes do agente 007 – fitas de gravação, telefones e uniformes foram deixados para trás. Agende: viru.reservation@sok.fi.

Com a intensa busca de turistas, os voos diretos a partir das capitais europeias passaram a crescer. O aeroporto, contudo, continua pequeno – mas, nem por isso, desleixado. Tem área de lazer para as crianças, Wi-Fi grátis e totens com acesso ao Skype. E fica a 4 quilômetros do centro da cidade.

Mais conteúdo sobre:
Europa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.