Temporada mais curta, cruzeiros mais longos

Neste verão brasileiro, serão cinco meses de cruzeiros (no anterior, foram sete) e os roteiros terão em média sete noites (na temporada passada, a duração girou entre três e cinco noites).

O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2012 | 03h11

Para o presidente da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar), Ricardo Amaral, a temporada brasileira mais curta se deve a vários fatores. "Nosso negócio tem uma versatilidade tão grande que tentar resumir em uma questão isolada é reduzir", afirma. "Tem o calendário do verão europeu, e algumas companhias optam por voltar mais cedo para lá. Tem a questão cambial, a variação do dólar, que acho que já se estabilizou. Tem a competitividade de outros destinos com infraestrutura e custos menores", explica.

Os cruzeiros mais longos refletem o amadurecimento do mercado brasileiro nesse segmento, de acordo com o presidente da Abremar. "O cruzeirista compra um roteiro mais curto, de três ou quatro noites, e volta para uma viagem de uma semana para o Nordeste. Depois vai para Buenos Aires e aí começa a fazer cruzeiros pelo mundo, mas não deixa de viajar por aqui", afirma.

Rio e Buenos Aires. Outra opção para quem pensa em ir a Buenos Aires é o Azamara Quest, segundo navio da Royal Caribbean que estará no próximo verão por aqui. Com capacidade para 694 hóspedes, a embarcação tem 93% de suas 347 cabines com vista para o mar e oferece viagens de 10 a 12 noites. A maioria dos roteiros do Azamara Quest (preços a partir de R$ 4.109) sai do Rio de Janeiro em direção a Buenos Aires, ou no sentido contrário - ou seja, sem retorno ao porto de partida. / N.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.