Bruna Toni/Estadão
Bruna Toni/Estadão

Um dia entre as pirâmides de Teotihuacán

Entre os principais sítios arqueológicos do México, Teotihuacán fica a cerca de 50 quilômetros da capital mexicana

Bia Reis, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2017 | 04h30

TEOTIHUACÁN - Entrar em Teotihuacán, “local onde os homens se tornam deuses”, é se transportar para outro tempo. Para isso, é preciso uma preparação: vá com roupas confortáveis, tênis e chapéu e leve protetor solar. Você caminhará longas distâncias, subirá muitos degraus, mas será agraciado com vistas incríveis, de perder o fôlego.

Entre os principais sítios arqueológicos do México, com vestígios de uma das civilizações mais importantes da Mesoamérica, Teotihuacán fica a cerca de 50 quilômetros da capital mexicana. Contam os guias que, após o período de declínio, as ruínas de Teotihuacán ficaram escondidas sob camadas de terra e vegetação. Parte da localidade foi descoberta e passou a ser escavada em 1864, mas as principais atrações foram encontradas a partir dos anos 1970.

Fundada antes da era cristã, Teotihuacán chegou a abrigar 200 mil pessoas em uma área de 20 quilômetros quadrados e exerceu domínio sobre outros povos durante cerca de 500 anos. Os antigos habitantes fizeram coisas interessantes, como banheiros dentro de casa – na época, o costume era ter o cômodo na área externa. Após ser abandonada pelos próprios moradores, em 650 d.C., Teotihuacán foi considerada sagrada pelos astecas.

A via principal da cidade é a Avenida dos Mortos, que corta o terreno retangular onde encontram-se mais de cem pirâmides de diferentes tamanhos. Além das pirâmides, você se surpreenderá com o Templo de Quetzalcóatl, erguido no ano 200, onde é possível ver uma série de máscaras de pedra. Os destaques do passeio são as Pirâmides da Lua, com quatro níveis, e a do Sol, uma das maiores do mundo – cada lado tem 200 metros, e o pico está a 65 metros de altura. 

Para subir a Pirâmide do Sol é preciso energia e um pouco de paciência, especialmente nos fins de semana, quando o sítio costuma receber uma multidão de turistas. Cordas colocadas de cima abaixo ajudam o visitante a se equilibrar e subir os degraus. O esforço, acredite, será recompensado.

Próximo às Pirâmides da Lua e do Sol está o Palácio de Quetzalpápalotl, um labirinto de templos e residências que levou séculos para ser construído. Preste atenção nos murais do Palácio dos Jaguares, com desenhos de onças com plumas tocando instrumentos feitos de conchas e penas.

 

Vistas do alto. Se é difícil descrever a sensação diante das pirâmides de Teotihuacán, quando as contemplamos do alto, a bordo de um balão, torna-se quase impossível. Os passeios nos coloridos globos são realizados por agências como a Flying Pictures México, que vende voos compartilhados e privados desde 2.300 pesos ou R$ 384.

Para quem só quer observá-los, o Festival Nacional del Globo Teotihuacán, em 27 de maio, terá espetáculo de balões, shows e food trucks – 320 pesos ou R$ 54. 

É possível ir a Teotihuacán de ônibus – a passagem custa entre 40 e 50 pesos (de R$ 7 a R$ 9) – ou de carro, pagando 45 pesos (R$ 7,40) pelo estacionamento. A entrada na cidade antiga vale 65 pesos (R$ 11).

E aqui vai uma boa dica: chegando, pague um táxi para ir até o último portão, no ponto mais alto, e faça o passeio descendo a Avenida dos Mortos. Poupará fôlego para subir as escadarias das pirâmides. / BIA REIS

Mais conteúdo sobre:
MéxicoCidade do México

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.