Divulgação
Divulgação

Tirando onda

Na chegada a Honolulu, bastam os primeiros acordes no ukulele para que uma placa ou algum guia local com o colar típico diga as palavras mágicas: "Aloha, você está no Havaí". E mal dá para esperar pelos outros clichês que virão na sequência. Tomar um drinque tão florido quanto a sua nova camisa ou bancar o haole tentando surfar com pranchão alugado será questão de tempo. Afinal, não foi para isso que você desembarcou no lugar que é quase sinônimo universal de férias?

BRUNO DEIRO / HONOLULU, O Estado de S.Paulo

28 Maio 2013 | 02h10

O centro turístico da ilha de Oahu fica no bairro de Waikiki, uma área ao sul de apenas 9 quilômetros quadrados que recebe milhões de visitantes todo ano.

No calçadão à beira da praia, a única estátua visível é a de um sujeito apenas de bermuda, em frente a um longboard e coberto por colares de flores - maior divulgador do surfe no mundo, Duke Kahanamoku é motivo de orgulho para o povo havaiano. O monumento deixa claro que a cultura de praia e surfe na ilha é mesmo uma espécie de lei, seguida com dedicado rigor por turistas e moradores locais.

Para se acostumar aos charmosos nomes polinésios presentes por todos os lados, decore dois: Kalakaua e Kuhio. Entre estas duas avenidas principais de Waikiki, paralelas à praia, estão localizados os melhores hotéis e centros de compras da ilha, a poucos metros do mar.

Com destaque para as diversas opções da culinária asiática, os restaurantes também estão todos por ali. Esta praticidade dispensa a necessidade de carro e facilmente leva o turista a perder a noção do tempo.

O clima praiano e a paisagem deslumbrante convidam a passar horas apenas contemplando as pranchas multicoloridas na areia branca, o inconfundível rosa do majestoso hotel The Royal Hawaiian, à beira-mar, e a água de um azul tão claro que chega a ofuscar a vista.

O único compromisso é juntar-se às milhares de pessoas no obrigatório espetáculo do pôr do sol de Waikiki - ao contrário da maioria, tente deixar a máquina fotográfica no bolso por alguns instantes e desfrute o momento. O fim da tarde também é a melhor ocasião para assistir a shows de música local e da tradicional dança da hula, ritual festivo e espiritual que imortalizou a cultura havaiana.

Em duas rodas. A tentação de passar os dias apenas a sol e mar em Waikiki é bem grande, mas vencer a preguiça é fundamental para conhecer ótimas atrações nas áreas próximas. E alugar pequenas motos, sozinho ou em grupo, pode dar o toque perfeito de aventura para o passeio.

Uma boa opção é seguir na direção leste, parando nas pequenas praias que ficam no caminho. A primeira atração é a cratera vulcânica Diamond Head, onde quem tiver fôlego pode encarar uma caminhada de duas horas até o topo para ver Honolulu de cima.

Seguindo pela costa você chegará ao Hanauma Bay Beach Park, onde há uma belíssima piscina natural, ideal para mergulho com snorkel.

Para quem não abre mão da vida noturna, o sul da ilha ainda possui diversas opções de bares. O Hula's, à beira-mar, tem uma programação bastante diversificada e é uma boa opção para experimentar os coloridos drinques locais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.