Divulgação/AE
Divulgação/AE

Tóquio, por Anderson Noise

Na superpovoada capital japonesa, dá até para imaginar o coelho apressado de Alice no País das Maravilhas, em meio a um labirinto. O tempo é um deus a ser respeitado. Mas à noite os japoneses afrouxam as gravatas e esquecem a hora. Gritam e enlouquecem. Quem diz é a artista plástica francesa Lunkie, de 26 anos, que viveu dois deles na capital. "Eles costumam trabalhar 13 horas, 6 dias por semana. Então, os clubes são os únicos lugares onde podem relaxar, porque as casas são muito pequenas para festas", conta. "Eles são dançarinos loucos, amantes da música e adoram celebrar. Na mesma balada você pode ver homens de negócio, garotos de fantasias ou apenas pessoas de jeans e tênis."

Fabiana Caso, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2010 | 07h00

 

Ao contrário de Berlim, a maioria das casas não tem dress code e não cria problemas para a entrada de turistas. Por outro lado, os preços são mais caros: paga-se, em média, de R$ 60 a R$ 100 só para entrar. O clube Womb é o favorito do DJ Anderson Noise. Apaixonado pela cultura oriental, admira o modo japonês de servir e ser. "Eles são antenados: pesquisam e vão para ouvir a música. São supercalorosos."

 

Womb

Comporta mil pessoas ao longo de quatro andares. As caixas do poderoso sistema de som amplificam house, techno, minimal, entre outros gêneros de DJs estrelados. Lasers e luzes dançantes também chamam atenção.

 

Liquidroom

Esse misto de clube e casa de shows virou lenda. O ambiente até pode ser definido como simples - uma sala retangular, com poucas cadeiras -, mas a iluminação é espetacular. O acesso é fácil a partir da Estação Ebisu.

 

Warehouse 702

O sistema tridimensional joga o som para o centro da pista, destacando os baixos. Luzes de led e telas de crital líquido se movimentam no ritmo, completando o menu de atrações sinestésicas. Tome o metrô Toei Oedo para a Estação Azabu-juban.

 

ANDERSON NOISE #

 

 Ele começou tocando acid house na Belo Horizonte natal, no final dos anos 1980. Depois, contribuiu com a cena local produzindo várias festas: algumas em locais inusitados como lojas de carro. Já em 1999, fez um trio elétrico com música eletrônica. Desde então, passou a ser super requisitado em clubes mundiais. Hoje, suas produções abarcam o techno, minimal e house - e continuam fazendo um (bom) barulho pelo mundo, assim como seu nome já diz.

 

Onde já tocou

Em 14/8, comemorou no Canadá a apresentação no 30º país

 

Cidade das melhores baladas

Tóquio. Também gosta de Barcelona e Londres

 

Clube favorito

Womb, em Tóquio. Você pode vê-lo no filme Babel, uma das produções que usou o local como cenário.

 

Por quê?

"Tem um tamanho perfeito: em quatro andares cabem umas 1.500 pessoas. E a qualidade de som é uma das melhores do planeta. Está no bairro de Shibuya, onde ficam todos os motéis da cidade: as pessoas saem da balada em silêncio, é muito curioso."

 

Top 5 de pista

1) Julian Jeweil  Cube

2) Nir Shoshani  In Motion

3) Hot Chip I feel Better (Florian Meindl Remix)

4) Anderson Noise Seven Years (Oscar VAzquez Remix)

5) Gary Beck Samsima

 

Leia também:

link Rota da balada: no ritmo das pistas

link Londres, por Marky

link Berlim, por Gui Boratto

link Paris, por Mixhell

link Festivais: maratonas ao ar livre

link Barcelona e Ibiza, outras baladas imperdíveis

link São Paulo: miscelânea nacional

Mais conteúdo sobre:
Anderson NoiseDJsTóquiobaladas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.