Tour cultural e histórico pelos drinques típicos

Inevitável pensar em comida quando se diz que para conhecer um destino turístico é preciso provar seus sabores. Já o que vai no copo costuma ficar em segundo plano. Mas só até o momento em que, cotovelo no balcão à espera da mesa, ouve-se do garçom a pergunta: "E para beber?".

MÔNICA NÓBREGA, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2011 | 03h07

Coquetéis típicos carregam tantas informações culturais e históricas quanto a receita mais clássica. Pronto, já demos a desculpa perfeita para você sair à caça de bons drinques pelo mundo. Só não esqueça de voltar ao hotel de táxi. Ou a pé, se puder encontrar o caminho.

Pisco sour

Mantenha o açúcar e o limão, troque o pisco por uísque e você terá em mãos o pai do pisco sour, o uísque sour. A história conta que o coquetel mais típico dos Andes, que tem sua criação disputada entre Peru e Chile, aportou na região com um cozinheiro inglês de navio, no século 19. Aqui pela América do Sul ganhou a suave cobertura de clara de ovo aerada.

Piña colada

A mistura de abacaxi, leite de coco, leite condensado, rum e gelo, que você vê ao lado, tem até "casa oficial", com direito a placa, em San Juan, capital de Porto Rico. Trata-se do hotel Caribe Hilton, então frequentado por chiques e famosos, onde o barman Ramón Marrero criou o drinque, em 1963, após três meses de testes para chegar a uma proporção harmoniosa entre os ingredientes.

Mojito

Na origem, o mojito não passava de uma beberagem de alto teor etílico que o corsário Francis Drake dava a seus marinheiros para curar enfermidades em alto mar (ou fazê-los esquecer delas, talvez). Isso lá no século 16. Em Havana, capital de Cuba, folhas de hortelã, club soda, açúcar e suco de limão encontraram no rum o companheiro perfeito. O escritor Ernest Hemingway adorava contar o "causo" do corsário no hoje ultraturístico bar Bodeguita del Medio, na Calle Empedrado.

Margarita

A história mais repetida diz que a margarita nasceu em Acapulco, no litoral oeste do México, pelas mãos da norte-americana Margarita Sames. Durante uma festa para jet setters de Hollywood, ela teria servido a mistura de tequila com os já manjados suco de limão e sal, acompanhados de licor de laranja. Pronto, estava criado um clássico.

Cosmopolitan

O jovenzinho cosmopolitan ganhou os bares de Nova York no fim dos anos 1980. E teve sua fama impulsionada pelo seriado Sex and the City. Assim, o coquetel de vodca, Cointreau, suco de cranberry e gotas de limão virou uma espécie de símbolo da cidade - e escolha certa das moças que gostam de fazer pose.

Beber ajuda a aprender

mais sobre um destino turístico. Quer desculpa melhor para se dedicar

a programas etílicos?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.