Camila Anauate/AE
Camila Anauate/AE

Tour no castelo de um autêntico conde falido

As torres do Château de Commarin surgem após a curva. São a única lembrança de que um castelo assim decadente já foi imponente fortaleza. O labrador vem correndo quando percebe o carro no portão. Atrás dele, um homem esbelto com as chaves na mão.

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2009 | 02h41

É ele, conde Bertrand de Vogüé, em carne, osso e calça jeans. Abre as portas e um sorriso melancólico. "Bienvenue". Ele é da 26ª geração de uma família que desde o século 12 cuida e descuida desse monumento histórico.

O conde guia os visitantes pelo jardim. "A última reforma na propriedade foi feita no século 18", explica. Depois, leva aos cômodos. O cheiro do tempo revela a falência. O piso de madeira reclama a cada passo.

O tour termina na sala de jantar, com amendoim e vinho. Conde de Vogüé explica que quer recuperar e manter seu patrimônio. Por isso, depende do turismo e do aluguel do castelo para festas. À saída, fecha o portão, afaga o labrador e acena esperançoso, à espera da próxima visita. www.commarin.com. Visita a 6,50 (R$ 18)

 

Veja também:

Caminhos da Borgonha

Culinária e história revelam alma da capital

Figurante num jantar black-tie

No mercado, a agilidade do chef recordista em fritar rãs

Abadia secular entre o garfo e a taça

Três estrelas para um santuário gastronômico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.