Alain Doire/Bourgogne Tourisme/Divulgação
Alain Doire/Bourgogne Tourisme/Divulgação

Três estrelas para um santuário gastronômico

O badalado Bernard Loiseau é o ponto alto de Saulieu

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2009 | 02h40

À primeira vista, o casarão de esquina pouco impressiona. Saulieu está deserta, imagem nada provável para a cidade festejada como santuário da cozinha borgonhesa. Mas as letras estampadas na parede da casa dizem tudo. Relais & Châteaux Bernard Loiseau. Traduzindo: experiência de alto luxo.

De fora é impossível imaginar a sofisticação interior. Biblioteca, sala e ambientes aconchegantes com janelões para o jardim inglês, que também dá vista para o elevador panorâmico. Piscina aquecida entre árvores, spa e suítes com decoração rústica.

O hóspede adora tal conforto, mas escolhe ficar aqui por causa do restaurante, três estrelas no Guia Michelin. É ele que mantém a tradição de Saulieu. Antes chamado Côte d'Or, era parada na rota entre Paris e Lyon e teve seu auge nos anos 1930, com o chef Alexandre Dumaine. Bernard Loiseau tomou a frente nos anos 1980, quando conquistou o Michelin.

 

Veja também:

Caminhos da Borgonha

Culinária e história revelam alma da capital

Figurante num jantar black-tie

Tour no castelo de um autêntico conde falido

No mercado, a agilidade do chef recordista em fritar rãs

Abadia secular entre o garfo e a taça

O chef, precursor da nouvelle cuisine, se matou em 2003, supostamente por causa da ameaça de perder uma estrela. Após a morte do marido, Dominique Loiseau assumiu os negócios, fez do Côte d'Or um Relais & Châteaux e, em 2007, abriu um restaurante em Beaune, o Loiseau des Vignes.

Enquanto o três-estrelas tem ambiente refinado, o Loiseau des Vignes é moderno. A adega fica numa parede vermelha, apelidada de Ferrari, e os vinhos são vendidos em taças. Mas pratos clássicos, como o oeuf en meurette (ovo ao molho tinto), estão no menu.

Já em Saulieu, foi o chef Patrick Bertron, que trabalhou 20 anos com Loiseau, quem assumiu a cozinha. Ele conta que agregou à herança de Loiseau a sensação. "Acho fundamental a comunhão com o produto", diz. "Recomendo que todos comam rã e escargot com as mãos."

Para Bertron, mais importante que ter estrelas é garantir o bom momento dos clientes. O chef vem a São Paulo em junho para cozinhar em eventos que celebram o Ano da França no Brasil.

linkBernard Loiseau: www.bernard-loiseau.com. Diária a partir 175 (R$ 496)

Mais conteúdo sobre:
ViagemBorgonhaFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.