Trilhas entre cavernas, mata nativa e praias

Passeios revelam curiosas formações rochosas

Mônica Nóbrega, O Estado de S.Paulo

09 Dezembro 2008 | 03h12

Durante uma hora e meia, a única claridade possível é a das lanternas. Diante dos olhos surgem cascatas de espeleotemas formados há 5 milhões de anos. O percurso segue o leito de um rio subterrâneo, 20 metros abaixo da superfície. O grupo caminha, nada, agacha, levanta, pára e anda mais um pouco. Eis o roteiro do tour pelo Rio Secreto, um parque de cavernas a uma hora de Playa del Carmen em um caminhão adaptado, aberto ao público em abril. Não é um passeio para claustrofóbicos nem para quem tem medo do escuro, mas, talvez, você só se dê conta disso no fim da visita. Antes, o coração vai disparar várias vezes. Não por causa do esforço físico, nem tão intenso assim. O rio serpenteia por cavernas e vai conduzindo o turista a lugares difíceis de descrever. Caso do salão natural onde está "Manhattan", gigantesco pedaço de rocha equilibrado em duas estalagmites que lembra a ilha nova-iorquina, com direito a silhuetas do antigo World Trade Center e contorno do Central Park. Em seguida, surge um poço de águas tão cristalinas que, da margem, enxerga-se a uma profundidade de até 80 metros. O snorkel ajuda, mas a lanterna à prova d?água já é suficiente para ver o fundo. O escuro não é tão evidente enquanto as 12 lanternas usadas por integrantes do grupo permanecem acesas. Até o momento em que o guia anuncia a hora de apagá-las. Não sei se há escuridão e silêncio mais intensos, mas é tarde para se desesperar. A ausência de luz não passa de cinco minutos e a saída está logo ali, poucos metros e algumas braçadas à frente. Já fora da caverna, diante de uma bem-vinda mesa de sanduíches e frutas, a guia Kristhian Hannikainen, de 36 anos, relata que, segundo indícios arqueológicos, o parque natural foi formado com a colisão de um meteoro, há 65 milhões de anos. O choque até teria ajudado a extinguir os dinossauros. Antes, a região era um mar de corais. METEOROA mesma explicação do choque de rochas no espaço esclarece a presença ostensiva de cenotes na Riviera Maia. Destes rasgos nas rochas, que os nativos acreditavam serem meios de comunicação com outros mundos, brota água transparente, formando lagos de tamanhos variados. Eles são uma das principais atrações do Rancho Punta Venado. De quadriciclo, você pode se aventurar por trilhas entre a mata nativa e a areia da praia. O percurso pode ter entre 5 e 11 quilômetros de extensão, com pit stops para refrescar o corpo nos cenotes. Rio Secreto: www.alltournative.com. Tour: US$ 89 (R$ 214) Rancho Punta Venado: www.puntavenado.com. Passeio: US$ 55 (R$ 132)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.