Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Tudo pronto. Agora só falta a bola rolar

As arenas do futebol brasileiro serão colocadas à prova durante a Copa das Confederações, em uma espécie de ensaio geral para o grande momento: o Mundial de futebol do ano que vem

O Estado de S.Paulo

16 Maio 2013 | 02h10

Maracanã

Construído para a Copa de 1950, o Estádio do Maracanã ficou conhecido como o maior do mundo. Na fatídica derrota do Brasil para o Uruguai na final, o público teria superado 200 mil torcedores. O Maraca, como é chamado pelos cariocas, é um símbolo do futebol nacional, amado pelos moradores do Rio como um patrimônio da cidade. Sua reforma recebeu muitas críticas por alterar a arquitetura original. Apenas a fachada, tombada pelo Iphan, foi mantida. Com capacidade para 76.804 espectadores, receberá a final da Copa das Confederações e do Mundial em 2014. O mais famoso estádio do País ainda não tem site.

Mané Garrincha

No site oficial da Fifa, o nome consta apenas como Estádio Nacional. Mas no coração e na memória afetiva dos brasileiros sempre será o Mané Garrincha. O antigo estádio erguido em 1974 foi demolido e deu lugar a uma arena para 70 mil pessoas. Foi concebido com sistema de captação e reutilização da água da chuva e painéis que absorvem a luz do sol e a convertem em energia elétrica. Estacionamento com 21 mil vagas. Mais: www.estadionacionaldebrasilia.com.br.

Arena Fonte Nova

Inaugurado em 1951, o antigo Estádio da Fonte Nova foi fechado em 2007 após um acidente e depois implodido. No mesmo lugar, foi erguida a Arena Fonte Nova, com capacidade para 48.747 torcedores. O projeto inclui 39 quiosques de alimentação, iluminação cenográfica e reutilização da água da chuva no gramado e nos banheiros. Estão previstos ainda prédios para estacionamento, shopping, casa de show e até hotel. Depois da Copa de 2014, terá um restaurante panorâmico, com vista para o campo e o Dique do Tororó. Uma cervejaria comprou o direito de dar seu nome ao estádio por dez anos. Mais: itaipavafontenova.com.br.

Minas Arena

Com capacidade para 62.547 espectadores, o Mineirão recebeu uma cobertura com uma película transparente para proteger os torcedores da chuva sem perder a luminosidade. O campo foi rebaixado em 3,4 metros para melhorar a visibilidade dos torcedores. O projeto inclui 2.925 vagas de estacionamento, praças de convivência, lojas e 60 bares e restaurantes. Com a reforma, o estádio ganhou um museu do futebol. Construído em 1965 e conhecido como Mineirão, o Estádio Governador Magalhães Pinto teve sua fachada original preservada. Mais: minasarena.com.br.

Arena Castelão

A nova Arena Castelão conta com restaurante para 250 pessoas e um espaço cultural dedicado ao futebol cearense, além de estar apta a receber grandes eventos - o primeiro foi o show de Paul McCartney, em 9 de maio. Com o rebaixamento do campo em 4 metros, foi possível reduzir a distância que separa os torcedores do gramado de 40 metros para 10 metros. A cobertura ganhou revestimento tecnológico que evita a absorção do calor. Tem capacidade para 64.846 espectadores e estacionamento com 1.900 vagas. Mais: www.arenacastelao.com.

Arena Pernambuco

O novo estádio fica em São Lourenço da Mata, na região metropolitana do Recife. Tem capacidade para 46 mil espectadores e foi concebido como uma arena multiuso. Inspirado na Allianz Arena, do Bayern de Munique, a fachada do novo palco pernambucano também poderá mudar de cor de acordo com o evento a ser realizado. A cobertura protege cerca de 80% dos assentos e haverá 4,7 mil vagas de estacionamento. Mais: www.cidadedacopa.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.