Uísque japonês para degustar na fonte

Conheça os poucos endereços de Tóquio onde é possível apreciar uma dose dos premiados destilados nacionais

James Casey / TÓQUIO THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2010 | 02h31

Houve um tempo em que uísque japonês era sinônimo do Suntory Time de Bill Murray, o garoto-propaganda da marca no filme Encontros e Desencontros (2003). Mas, na última década, a reputação da bebida melhorou de forma meteórica.

Se restava alguma dúvida, ela caiu em 2008, quando o Nikka Yoichi Single Malt 1987 e o Suntory Hibiki 30 anos venceram o prestigiado World Whisky Awards nas categorias Melhor Single Malt e Melhor Blended do mundo, respectivamente. De lá para cá, as garrafas japonesas continuaram acumulando prêmios ano após ano.

Seria óbvio supor, então, que Tóquio está repleta de bares especializados. Mas a verdade é que os entusiastas da bebida ainda têm trabalho para encontrá-los. Uma exceção é o Shot Bar Zoetrope, talvez o único da cidade dedicado a explorar a produção de destilarias japonesas.

Aberto em 2006 por Atushi Honigami, o Zoetrope tem nas prateleiras uma impressionante seleção de bebidas nacionais. Para começar, uma dose do Yoichi Single Malt 1988 (3.000 ienes ou R$ 61), o verdadeiro substituto do campeão 1987, hoje esgotado. Mais exclusivo - e suave - é o Ichiro Malt Shot Bar Zoetrope 3rd Anniversary Single Malt (1.300 ienes ou R$26).

No porão da sede do Nikka Whiskey, no distrito fashion de Aoyama, está o despretensioso Nikka Blender"s Bar, que serve apenas a bebida da casa. Mas os turistas são encorajados a criar o próprio drinque misturando cinco tipos de single malt e uísque de um cereal. O kit (3.000 ienes ou R$ 61) inclui seis pequenos copos numa bandeja de madeira, com descrições como: "xerez e doce", "lenhoso e maduro".

Já o Hibiya Bar Whiskey-S, em Ginza, exibe no menu somente os destilados da Suntory. E também dá aos clientes a oportunidade de criar seus drinques, num processo que mais parece um experimento científico, com direito a tubo de ensaio e tudo. A casa ainda serve versões limitadas, como o Hakushu Single Malt, envelhecido em tonel de xerez (1.096 ienes, R$ 22).

Embaixo da loja do Mos Burger, uma rede japonesa de fast food, e atrás de uma porta pesada, o Quercus Bar é mais especializado em uísque escocês que japonês. Pequeno e decorado com madeira e acessórios de pub irlandês, o bar tem uma seleção limitada de bebidas locais, entre elas, garrafas do Ichiro Malt. Aqui, a experiência fora do comum é provar a deliciosa comida escocesa, em uma cidade saturada de sushi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.