Di Vasca/Estadão
Di Vasca/Estadão
Imagem Gilberto Amendola
Colunista
Gilberto Amendola
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Um coach preso no alagamento

Numa rua alagada, uma oportunidade para demonstrar na prática o que tanto tem pregado em suas palestras e aulas; o resultado?

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2020 | 06h00

Apesar dos conselhos para que tentasse outra rota ou esperasse a água baixar mais um pouco, o coach motivacional viu naquela rua alagada uma oportunidade para demonstrar na prática o que tanto tem pregado em suas palestras e aulas: “Só é impossível aquilo que você nunca tentou”.

Decidido, instalou o celular no espelhinho do carro e iniciou uma transmissão ao vivo no Instagram – que logo reuniu cerca de 500 abnegados seguidores.

Ao se dar por satisfeito com o público atingido, começou a falar: “Amigos, estou prestes a mostrar para vocês que não existe essa coisa de ‘não consigo, não posso ou não dá’. Só perde nessa vida quem não se arrisca. Se você tem mesmo força de vontade, nada é um obstáculo. Vou atravessar essa rua alagada porque eu posso. Eu consigo. E nada vai me deter. Acompanhem...” 

Envaidecido pelas próprias palavras, o coach motivacional começou relembrando o que já tinha lido sobre atravessar trechos alagados: manter o carro em marcha reduzida, com uma aceleração constante e velocidade média. Claro, não acionar a embreagem, não engatar a segunda ou a terceira...

Assim, o coach acenou para os seus seguidores na “live” e partiu para uma demonstração prática – sentindo-se tal qual um Moisés prestes a abrir o Mar Vermelho. Quando iniciou a travessia, gritou de euforia ao perceber que o público já batia os mil expectadores.

E ele foi. Foi com tudo. Com aquela certeza que só um coach motivacional pode ter. Totalmente focado em suas metas e objetivos. Um gestor da própria vida. Ao atingir metade do seu trajeto, estufou o peito e...o carro morreu. Não, antes de morrer, um pouco antes, engasgou. Engasgou e morreu.

Imediatamente, o coach viu surgir uma série de “hahaha”, “rsrsrs” e emojis na tela do seu celular. Tentou ligar o carro mais uma vez, mas só viu piorar a situação. Tinha entrado muita água no motor. 

Sem saber o que dizer aos seus seguidores, o coach motivacional começou a fingir que o áudio da transmissão tinha sumido e saiu do aplicativo. Sem mais ninguém assistindo, deu quatro socos no volante. Bateu com tanta força que chegou a machucar a mão. 

O celular tocou. Era a mulher: “Seu idiota. O que deu na sua cabeça para enfiar o carro no meio do alagamento? Foi muita burrice...” O coach pensou em se explicar, mas preferiu desligar o celular sem começar uma briga.

Sem notar que a água estava subindo depressa, ele começou a imaginar uma maneira de explicar aquele incidente para o seu público. “O corpo alcança o que a mente acredita”, pensou.

O coach pensou ter encontrado uma saída. Aquela situação era uma forma de provar que, mesmo no meio do caos, a mente pode levar o ser humano para qualquer lugar, um lugar seguro e longe dos problemas, um lugar em que toda a meta é atingida com louvor.

Tudo o que sabemos sobre:
coaching

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.