Um dia como o deles

Siga os passos dos moradores para descobrir o melhor de cada cidade - e os pontos turísticos realmente imperdíveis

O Estado de S.Paulo

07 Julho 2010 | 13h00

A guia

Paulistana, Marcie Grynblat Pellicano, de 53 anos, é publicitária e mora em Nova York há 8 anos. "Eu começaria batendo pernas pelo Soho. Depois, uma esticada até West Village e Chelsea. Cada bairro tem seu estilo, mas os três refletem bem o modo de vida da cidade."

NOVA YORK

Básico indispensável

Sempre recomendo o passeio de barco em volta de Manhattan (circleline42.com). Dá uma dimensão da ilha e mostra atrações que o turista espera ver. Pelos mesmos motivos, visite o Top of the Rock (foto). Mais: topoftherocknyc.com.

Perda de tempo

Pagar para ir à Estátua da Liberdade é uma grande roubada. Horas de fila e, se quiser subir à coroa, você precisa reservar com meses de antecedência. Sem subir, tudo o que se consegue é uma linda vista de Manhattan e da estátua de baixo para cima - a mesma que você terá em uma travessia gratuita na balsa que vai para a State Island (siferry.com).

Hora da fome

O Vendy Awards (streetvendor.org/vendys) é o prêmio que escolhe os melhores restaurantes ambulantes da cidade. Na edição 2010, a quinta de sua trajetória, elegeu entre os melhores o Schnitzel & Things, que estaciona a cada semana em uma esquina (e avisa os clientes pelo Twitter @schnitzeltruck ); e o Biryani Cart, cujo ponto é a West 46TH.

Sacolas cheias

Não dá para deixar de ir à Century 21 (c21stores.com), que, em Manhattan, fica em frente às antigas Torres Gêmeas; e à Macy"s (macys.com), na Sexta Avenida com 34th Street.

A guia

Paranaense, a jornalista Luciana Garcia Ribeiro Dyniewicz, de 24 anos, morou em Valência nos últimos 15 meses, para estudar. "Pequenas orquestras se apresentam nas manhãs de domingo no Mercado de Colón, um dos principais prédios modernistas da cidade."

VALÊNCIA

Básico indispensável

Para mim, a Lonja é o ponto mais especial da cidade. Nos arredores, as ruas são tradicionais (foto), com prédios baixos e coloridos. Siga para o bairro Carmen, famoso pelos bares, galerias de arte e teatros. A Ciudad de las Artes y las Ciencias, a Plaza de la Reina e a Plaza del Ayuntamiento são lindos.

Perda de tempo

A praia perto do centro, Malvarrosa, não é um exemplo de beleza.

Hora da fome

O arroz negro do El Forcat (elforcat.es) é ótima opção de comida valenciana. Para o fim do dia, vá à Bodega Fila (Carrer Manuel Candela, 58) provar jamón, queijo e sangria - tudo muito em conta.

Sacolas cheias

Entre as lojas de roupas mais modernas, minha preferida é a Bugalú (na Carrer de las Danzas) - a Madame Bugalú é a versão chique. Para lembrancinhas, a Magic Wood (Carrer da la Pau) vende miniaturas ótimas de falleros.

O guia

Thiago Minami, de 27 anos, vive na capital japonesa há dois anos. "Com tempo bom, uma visita à Torre de Tóquio garante a foto do principal cartão-postal local. Em Akihabara, fãs de mangá e tecnologia conferem o que o Japão tem a oferecer nestes temas. Harajuku e Shibuya são os bairros preferidos dos adolescentes, onde se vai para entender a quantas anda a moda local."

TÓQUIO

Básico indispensável

Nada diz mais sobre Tóquio que o bairro de Shinjuku (na foto, o Parque Central), onde tudo é grande demais. A começar pela estação de trem, dita a que mais recebe passageiros por dia no planeta, que dá acesso a três diferentes universos dependendo da saída que se escolhe. A leste leva aos arranha-céus. A sul, ao mundo das monstruosas lojas de departamentos (a Takashimaya, é um dos cartões-postais da cidade). Já a oeste é a porta para Kabuki-cho, onde está a maior concentração de kyabakuras, espécie de bares em que se paga para conversar - às vezes mais que isso, mas nem sempre - com garotas e garotos.

Perda de tempo

Asakusa é conhecido pelos templos e lojas tradicionais, mas só vale a pena para quem não irá a Kyoto ou Nara, onde estão os templos mais impressionantes.

Hora da fome

O katsusando (sanduíche com milanesa de porco) é obrigatório. Para o almoço, os restaurantes estilo kaitenzushi, em que bolinhos de arroz circulam por uma esteira eletrônica em frente ao cliente, são uma opção em conta e marcante. Há muitos perto da estação de Okachimachi. Para jantar e beber uma cerveja, o bairro de Shimo-kitazawa tem estilo totalmente relaxado.

Sacolas cheias

Um passeio pela Ameyoko, a 25 de Março de Tóquio, rende boas compras, sobretudo para sapatos, perfumes e peixes.

A guia

Sonia Shen, de 31 anos, é administradora e nasceu em Xangai. "Recomendo dedicar pelo menos um dia inteiro à Expo Xangai - você pode conhecer o mundo! A exposição termina em outubro."

XANGAI

Básico indispensável

Ao chegar ao aeroporto, pegue o Xangai Maglev, o trem mais rápido do mundo, para chegar ao centro. Do mirante do Xangai World Financial Center (swfc-shanghai.com), prédio mais alto da cidade com 492 metros, se tem uma ótima vista. O Bund (foto), à margem do Rio Huangpu, é um dos centros da vida social de Xangai.

Perda de tempo

No Bund começa a Nanjing Road, uma rua de lojas que nunca dorme. Diversão garantida, mas apenas para quem adora compras.

Hora da fome

O belo Yu Garden, além do jardim e da ponte históricos, tem nos arredores muitos restaurantes de culinária local.

Sacolas cheias

O Xin Tian Di (xintiandi.com/english) é um ótimo passeio. Tem lojas para todos os gostos, bares e restaurantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.