Fundación Proa/Divulgação
Fundación Proa/Divulgação

Um fim de semana em Buenos Aires. Outro em Santiago

Deixe as opções culturais guiarem você em duas capitais que esbanjam vitalidade de dia e à noite.

02 Fevereiro 2010 | 13h46

Buenos Aires no sábado

 

Rivadavia: Aficionados por livros devem ir bem além da clássica El Ateneo Grand Splendid (Avenida Santa Fé, 1.860). Faça como os portenhos e siga para o Parque Rivadavia, no bairro de Caballito, onde funciona todos os dias uma excelente feira ao ar livre. São dezenas de barraquinhas vendendo usados, raros e primeiras edições de autores argentinos como Jorge Luis Borges e Julio Cortázar. Sem falar em revistas, vinis e CDs. Livrinhos da Mafalda saem por 10 pesos (R$ 4,85) e edições pouco conhecidas de ensaios do escritor Ernesto Sábato custam 25 pesos (R$ 12,15). Uma forma rápida de chegar ao parque é usar a Linha A do metrô. Desça na Estação Acoyte. Sabor peruano: Nem todo mundo sabe, mas Buenos Aires virou um centro de ótima culinária peruana, uma pedida e tanto para o almoço. Sem a música alta e os lentos garçons que costumam predominar em restaurantes do gênero, o Sipan faz a linha cool e fica numa galeria no centro (Calle Paraguay, 624, Retiro; www.sipan.com.ar). Escolha entre o tacu-tacu com mariscos e o ají de galinha. O custo, por pessoa, fica por volta dos R$ 65.

 

Palermo: Depois de se deliciar, é hora de partir para mais um garimpo de preciosidades. Seu destino será a feira de livros na frente do prédio da Sociedade Rural, em Palermo. Ali o bibliófilo pode encontrar o quase esgotado Atlas das viagens de Borges por 80 pesos (R$ 39). Além de clássicos por 10 pesos (R$ 4,85). Use a Linha D, saindo na Estação Plaza Itália.

 

‘Argentinidade’: Programe-se para jantar no charmoso restaurante do Club del Progreso, no centro (Sarmiento 1.334; www.restorandelprogreso.com.ar). A cozinha é comandada por Yanina Andreani, que reformou o edifício, mas manteve o espírito original da instituição, fundada por políticos em 1852. A casa também representa a "argentinidade" por intermédio de seus pratos. A especialidade é o Revuelto Gramajo (R$ 13), mix de omelete com batatas fritas e legumes. O ossobuco com purê (R$ 22) é uma opção apetitosa.

 

 

Conheça as atrações em Santiago:

O quente da capital

 

 

Balada: É hora de começar a diversão. Uma das melhores pedidas fica nas imediações, no 3.131 da mesma Sarmiento. Ali, onde antes havia um depósito de óleo, desde 2004 funciona o Ciudad Cultural Konex. Confira a programação e tente assistir a um show do Bomba del Tiempo. O som é incrível, uma espécie de samba argentino.

 

Saideira: Feche a noite na balada alternativa do Bar Ultra (Rua San Martin, 678, centro). Como os argentinos costumam sair tarde para dançar, a entrada é gratuita até a 1 hora – depois, custa 20 pesos (R$ 9,70). Aos sábados, a animação é garantida pela festa Belle-Pop, com música dos anos 1980.

 

Arte mundial e ícones portenhos

 

Buenos Aires no domingo

 

Para começar: Dispense o café da manhã do hotel e corra para a La Pompeya, no número 1.912 da Avenida Independencia. Desde 1920, a padaria faz receitas exclusivas do sul da Itália, como as roscas de pão duro umedecidas com azeite de oliva. Há, ainda, baguetes deliciosas, de casca grossa e dura, além de pães doces, recheados de chocolate e amêndoas. Para comer sem pensar em calorias.

 

Proa: Deixe para trás as casas com placas de metal colorido que fizeram a fama do Caminito, em La Boca, e vá em direção ao porto. Quadros de mestres europeus devem ser seguidos, como pistas, até a Fundação Proa (Avenida Pedro de Mendonza, 1.929; www.proa.org). Inaugurado há pouco mais de um ano, o novo edifício é de tirar o fôlego, com vidro por todos os lados, assim como as exposições e mostras de cinema que abriga. No fim do tour, fique no café-restaurante do terraço, com bela vista para porto.

 

Santa Evita: Visitar o Museu Evita (Calle José Maria Gutiérrez, 3.926; www.museoevitaresto.com.ar) vale para ver os modelitos e os objetos pessoais da mulher mais amada da argentina, Eva Perón. Mas também para visitar o delicioso restaurante do museu, a cargo da chef Cláudia Aboaf. O menu é conciso e delicioso. Decida entre os tagliatelles com polvos pequenos e os sorrentinos de gruyère. A refeição custa em torno de R$ 35 por pessoa.

 

Malba: Se você não foi ao Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (Avenida Figueroa Alcorta, 3.415; www.malba.org.ar), não perca mais tempo. Se já esteve lá, volte. Principalmente se sua viagem for até 22 de fevereiro. Conhecido por ser o lar atual de Abaporu, de Tarsila do Amaral, e do Autorretrato de Frida Kahlo, o Malba montou uma ótima exposição de Andy Warhol. Às 17 horas, são realizadas oficinas de arte para as crianças.

 

Festival: Entre no site www.airesbuenosaires.gob.ar e escolha um evento do Festival Aires Buenos Aires, Cultura Para Respirar, com mais de 300 atrações gratuitas ao ar livre até 20 de fevereiro. Aos domingos à noite, destaque para as produções cinematográficas, exibidas no Parque Rosedal (Palermo) e no Parque Centenário (Caballito).

 

Federal: Encerre o fim de semana numa verdadeira instituição portenha, o Bar Federal (Rua Carlos Calvo, 595, San Telmo), que funciona até altas horas. A casa tem um ar de anos 1940, com imensos balcões e mobiliário de época. Os pães caseiros são deliciosos, assim como as tradicionais milanesas, o bife de chorizo...

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.