Four Seasons/Divulgação
Four Seasons/Divulgação

Um palácio art déco no coração de Paris

Dependendo da localização do quarto, a vista pode ser para o delicado jardim interno, a elegante avenida George V ou a Torre Eiffel. De qualquer forma, ao admirar o que há lá fora, o hóspede estará debruçado em janelas ou varandas de um chiquérrimo palácio art déco do começo do século 20. O Hotel George V (fourseasons.com/paris), sob o comando da rede Four Seasons desde 1999 (depois de um banho de loja que levou dois anos para ser concluído), é uma das hospedagens mais impressionantes de Paris.

MÔNICA NÓBREGA, O Estado de S.Paulo

19 Março 2013 | 02h13

Desde que faça o seu estilo, é claro. Lobby todo de mármore com balcão tão alto que me obrigava a ficar na ponta dos pés para falar com os recepcionistas, lustres rococós, lounges repletos de obras de arte e tapeçarias históricas favorecem uma atmosfera aristocrática que impõe certa frieza e distância. Mas os funcionários são para lá de atenciosos e gentis. E os hóspedes, de nacionalidades múltiplas, tão cinco-estrelas quanto o ambiente, daqueles que desfilam roupas de ir à ópera na hora do jantar.

Quartos. O meu era o mais básico de todos, o Superior Room ( 895 ou R$ 2,4 mil a diária). O banheiro era a melhor parte, espaçoso, minimalista na decoração, e com uma tela sensível ao toque incrustada no espelho onde se podia escolher entre filmes, documentários e programas de TV. Tomar um banho de banheira assistindo a um programete com sugestões de mostras de arte em cartaz em Paris foi, realmente, uma boa ideia.

No total, o hotel tem 244 acomodações. Há outras duas categorias de quartos e dez de suítes, do tipo apartamentos. A Penthouse, maior e mais cara delas, tem 170 metros quadrados, seis terraços, mármore por todo lado, vista em 360 graus da capital e diária a 19.500 (R$ 52,5 mil), que dá direito a um Rolls Royce do hotel à disposição.

A suíte que conquistou meu coração foi a Duplex, com uma escadinha estreita que desemboca em uma linda sala de leitura no piso superior ( 2.950 ou R$ 8 mil a diária).

Espaço de arte. O imperdível dali é o lounge La Galerie, autodefinido como "o coração e a alma" do Hotel George V. Vale por um museu. Há pinturas, tapetes e móveis do século 19. Um pianista toca diariamente, a partir das 15 horas. Ao lado está o bar, um ambiente sóbrio de madeira escura, muito parisiense.

Relax. A piscina é interna, cercada por pinturas murais do tipo "engana-olhos". Tem mais jeito de lugar para relaxar por meia hora que para se divertir - não parece ser uma boa ideia deixar crianças à vontade. Fica dentro do spa, com decoração à la realeza que, com frequência, aparece em listas dos mais finos de Paris. A estrela é o tratamento Um Passeio a Versalhes ( 420 ou R$ 1.130), que inclui aroma de flor de laranjeira, o favorito de Maria Antonieta, em uma massagem de 2h30 com esfoliação. Moças, descansem: o salão de beleza notou nossa mania de alisar cabelos e faz escova progressiva à brasileira (desde 500 ou R$ 1.340).

Mais conteúdo sobre:
ParisGeorge Vhotelariaviagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.