Divulgação
Divulgação

Um pé em Springfield, outro na vila dos bruxos

O bar do Moe está aberto. Springfield chegou à Universal de Orlando como um complemento para o simulador Simpsons: The Ride. Abra sua Duff Beer (feita com exclusividade para o parque), coma um gigantesco donut, peça um Krusty burguer. Mas só depois de chacoalhar na atração na qual Homer, Marge, Lisa, Maggie e Bart vão ao parque de diversões do palhaço Krusty - e têm de fugir das mais malucas armadilhas.

ORLANDO, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2013 | 02h15

No Universal Studios é assim: as atrações saem das telas diretamente para o parque. Caso de Transformers - The Ride 3D, inaugurado semana passada. Ainda no mundo da fantasia, os Minions do divertido Meu Malvado Favorito são as estrelas de Despicable Me Minion Mayhem. Basta um óculos 3D para você entrar no laboratório de Gru, se transformar em um Minion e cair na festa.

Para emoções mais reais, siga para a Hollywood Rip Ride Rockit. Nessa montanha-russa você tem direito a escolher a própria trilha sonora (heavy metal? I will survive? Country?) antes de ser bombardeado de adrenalina. Uma subida a 90º, uma queda equivalente a de um prédio de 17 andares, uma velocidade que chega a 100 quilômetros por hora. Está bom para você?

No outro parque do grupo, o Island of Adventure, a expectativa para o ano que vem gira em torno da ampliação do espaço dedicado a Harry Potter, com a criação do Beco Diagonal.

Nos livros de J.K. Rowling, é nessa área que os bruxos compram os itens necessários para suas feitiçarias, como caldeirões e varinhas. E até o Expresso de Hogwarts - o trem que parte da plataforma 9 3/4 da estação de King's Cross, em Londres - estará em funcionamento, levando os visitantes até a cidade mágica de Hogsmeade.

Por enquanto, é preciso mesmo caminhar até Hogsmeade para tomar uma cerveja amanteigada (sem álcool e doce que só) ou provar os feijões de todos os sabores (todos mesmo, até alguns nada agradáveis).

Se a sua busca for por adrenalina, fique com Harry Potter and The Forbidden Journey, um simulador no qual é possível voar em vassoura, participar de uma partida de quadribol e ficar cara a cara com Harry, Ronny e Hermione por meio de holografias impressionantes. /ADRIANA MOREIRA

 

Transformers em ação

 

Humanos, estamos em grande perigo. Neste exato momento, os Decepticons se mobilizam para destruir nossa espécie. Para começar, o plano é tomar o controle de Orlando.

 

Quem avisa é Optimus Prime, o robô-carro-alienígena que lidera a turma do bem, os Autobots. Misto de guerreiro e profeta, o grandalhão não surge apenas para avisar do apocalipse próximo: ele nos convida a lutar. Para isso, embarca-se em um carrinho na atração Transformers – The Ride 3D, rumo a uma batalha corpo a corpo contra Megatron, o chefe dos malvados Decepticons, e seus comandados.

 

Na prática, a brincadeira inaugurada oficialmente na quinta-feira no Universal Studios é um simulador dos mais agitados. Idêntico ao que já existe nos parques Universal em Los Angeles e Cingapura: o carrinho balança, quica e se desloca por curtas distâncias, sempre em meio a cenas aceleradas no telão em 3D, e a sensação de realismo é turbinada por calor e respingos d’água.

 

Fãs dos Transformers no cinema entram no clima com mais facilidade. Para não iniciados fica um pouco difícil distinguir anjos de demônios no amontoado de figuras de lata que se espancam mutuamente. Uma delas vai agarrar o carrinho algumas vezes fazendo cara de mau (o que não chega a ser um indício, já que feios todos são). Esse aí é Megatron. Não vou contar como, mas que o bem vence o mal você já imagina, certo? Antes de desembarcar com o coração aos pulos de tanto chacoalhar, Optimus em pessoa agradece pela sua dedicação, caro guerreiro da liberdade. Final feliz. /MÔNICA NÓBREGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.