Um vapor pelo Velho Chico

Imponência. Por quase 60 anos o vapor Benjamin Guimarães circulou, imponente, pelo Rio São Francisco. Na parte superior viajavam os ricos, hospedados em cabines. Embaixo, a população estendia redes para dormir entre um e outro destino. Mas nos anos 1980, já ultrapassado, deixou de circular.

ADRIANA MOREIRA, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2009 | 03h16

Retorno. Depois de passar por um projeto de restauração em 2004, o Benjamin Guimarães voltou a viajar pelo Velho Chico. Não como meio de transporte, como nos velhos tempos, mas em passeios turísticos.

Tombado. Em 2007, o barco passou a fazer viagens mais longas, entre Pirapora e São Romão, em Minas Gerais. Tombado pelo Patrimônio Histórico Estadual, o vapor não tem modernidades, como ar condicionado nas 14 cabines.

Sabores. Para compensar, a atenciosa tripulação passa o dia mimando os hóspedes. Ora com sucos de frutas nativas, ora com pães de queijo quentinhos. Outro ponto alto é o cardápio, preparado com cuidado pelo chef Fernando de Paula.

Paradas. No trajeto de seis dias o vapor para em Barra do Guaicuí, Ibiaí e Cachoeira do Manteiga. Uma ótima oportunidade para ouvir histórias dos ribeirinhos, que recepcionam os turistas com serestas e violeiros ou, simplesmente, com olhares curiosos. A próxima saída do Benjamin será no revéillon. Pacotes de 5 noites, partindo em 27 de dezembro, por R$ 3.080 por pessoa em cabine dupla, sem aéreo. Informações na Paradiso Turismo: (0--11) 3258-4722.

* Viagem na internet

site: estadao.com.br/suplementos/viagem.htm

e-mail: viagem.estado@grupoestado.com.br | twitter: twitter.com/viagemeaventura

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.