Divulgação
Divulgação

Um verão repleto de blocos de gelo

A experiência. O calor me pegou de surpresa. Era possível andar nas ruas de camiseta. Ninguém em todo Alasca espera tempo quente em agosto - época que tem temperatura média de 7 graus, apesar de ser verão. O contato com o frio ocorreu de fato nas excursões pelas geleiras. Aí, sim, era preciso usar roupas de pele. Durante os sete dias de navegação, vi paisagens maravilhosas: além dos blocos de gelo, montanhas rosadas e lagos azul-turquesa.

Márcia Chaccur, em depoimento a Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2009 | 02h36

O passeio mais legal foi o de trenó, puxado por cachorros geleira abaixo. Para chegar ao topo da montanha, helicóptero. Há opções de tours para pescar, ver ursos e conhecer fábricas de cerveja. Vale a pena, ainda, visitar as cidades do roteiro. São lindas, repletas de joalherias, lojas de artigos de pele com preços bem em conta e ótimos restaurantes. Não esperava encontrar essa estrutura.

As atrações. O roteiro entre Whittier e Vancouver, no Canadá, portos de partida e chegada do cruzeiro, é cheio de atrativos. A capital Juneau e a cidade de Ketchikan podem ser exploradas a pé. Os cenários em alto mar impressionam pela diversidade de ecossistemas. Destaque para as ilhas da Inside Passage e Skagway, para o College Fiorde e para o Parque Nacional Glacier Bay.

  

Veja também:

linkRoteiros em branco e azul

linkHIMALAIA - Everest visto de frente

linkSUÉCIA - Quarto que derrete no calor

linkNORUEGA - Miniveneza entre os fiordes

linkCANADÁ - Show de cores

linkCHILE E ARGENTINA - Na Patagônia selvagem

linkANTÁRTIDA - Entre icebergs e pinguins

Melhor época. A temporada de cruzeiros no Alasca vai de junho a setembro.

Quanto custa. A Princess Cruises tem quatro navios que fazem a rota de sete noites entre Whittier e Vancouver. Os pacotes no Island Princess custam a partir de US$ 264 por pessoa, em cabine dupla. Informações: www.princesscruises.com.br.

Mais conteúdo sobre:
ViagemAlasca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.